Terça-feira, 31 de Outubro de 2006

... manhã de domingo em... Badajoz!!!...

… tal como brisa leve,

vento fresco de Primavera,

que vai soprando, de mansinho,

 

abrindo caminho,

 

que bem se sente quando nos serve,

agradável ao rosto,

como se espera,

por ruas, ruínhas, avenidas largas,

devagar, sem pressas,

curtas,

 

as passadas,

sem ruídos, sem promessas,

sem destinos definidos,

 

ainda cedo,

 

bem diminuta a hora,

dia de folga,

 

trânsito limitado,

quase parado,

janelas cerradas,

comércio fechado,

 

poucos transeuntes,

mais passeantes,

sons inexistentes,

olhando entornos,

no Mundo dos sonhos,

recuperação da véspera,

dia de diversão, de festa,

 

para ser preciso… num domingo,

numa cidade qualquer,

como se quer,

 

quando descrevo,

afirmo

satisfação plena,

 

espargindo olhares por aquelas montras,

gozando as sombras,

 

pensando um pouco,

sem reboliços,

 

doméstica que varre o portal,

cão com trela,

passeando dono,

jardim sem muros,

frondoso,

pipilante,

espaço vivo, verdejante,

uma paragem,

 

belo local,

Paraíso sem sussurros,

doce final,

 

abarco o Mundo,

retomo caminho,

vou como o vento,

com pensamento… avaliando tudo!!!...

 

… barato aquele computador,

que filme espectacular,

sapatos perfeitos,

compro o jornal,

 

quiosque sôfrego,

escancarado,

no sítio certo,

perto daquela gente que sai,

que também vai,

depois de cumprir vocação,

 

missa que termina,

 

multidão de penitentes,

pecados dos outros que aliviam,

nas rezas que fazem

quando se penitenciam,

 

templo discreto

naquela esquina,

junto do padre,

na confissão,

depois do perdão!!!...

 

… agitar repentino na pastelaria,

grupos coesos,

pequeno-almoço,

desassossego,

quanta alegria,

conversa a rodos

quando os oiço,

 

levanto, vou embora,

arrasto a brisa comigo,

caminho sem destino,

 

velho que passa,

trôpego,

madrugador,

longe o alvor,

próximo o descanso,

naquele remanso,

ajuntamento dos que morrem,

 

todos,

 

simples tolos

que se confundem,

que não param,

que fogem,

que se enganam

na luta,

labuta,

na rinha continuada,

 

no querer tudo… não sendo nada!!!... Sherpas!!!...

publicado por sherpas às 07:43
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 26 de Outubro de 2006

... Outono... duma vida!!!...

… de porta em porta,

 

o tempo

chora,

 

zumbe o vento,

irrequieto,

 

aqui, bem perto,

 

uma nuvem derrama lágrima,

que avassala,

que confunde, cala,

inunda,

terra, casa,

tristeza que… se instala,

 

ramos secos, amarelados,

nas folhas que vão caindo,

extensos braços,

esvaindo

seus estertores,

algumas dores,

 

longos tapetes amaciados,

por tantos lados,

 

olhos cerrados… finos traços,

mais sossegados,

furtivos gestos,

quando… inquietos!!!...

 

… outonal,

para nosso mal,

já fomos, já passou,

vida que não finou,

 

encanecidos,

frontes enrugadas,

mais pensativos,

mentes paradas,

 

obsessivas, na contemplação,

doce visão,

não esquecidas,

o vento sopra,

a chuva cai,

a folha vai,

 

o tempo… traça,

de porta em porta,

enquanto geme, enquanto chora,

 

não pára… vai embora,

deixa pelo chão,

fofa camada,

folhas caídas,

imensidão,

vidas sentidas,

 

nuvens… esvaídas,

 

cinzentos que são

os pensamentos,

nestes momentos!!!... Sherpas!!!...

 

 

publicado por sherpas às 21:57
link do post | comentar | favorito
|

... corpos dilacerados!!!... (termino)

 

… corpo dilacerado,

mente embutida,

desde que se encontra naquela vida,

farrapo andante,

contentor com pernas,

 

sacos cheios,

com dores, com restos,

revezes da vida,

imundas lucernas

 

parcos os gestos,

quase de rastos,

quando com fomes,

se empina,

seja onde for,

 

nos caixotes, lixeiras, sobras,

 

é o que comes,

não pagas… não cobras!!!... Sherpas!!!...

publicado por sherpas às 08:17
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 25 de Outubro de 2006

... em bicos de pés!!!...

 

… em bicos de pés,

se inclina,

vai ao fundo, reclina,

quase adentra na porcaria,

mistura que se não distingue,

quando passo,

 

olho, disfarço,

 

lixo fora, lixo dentro,

quando penso, me concentro,

 

situação reles,

hipocrisia,

sociedade que avança,

que finge,

ignora o escarro, porque mente,

pegada ténue,

 

gritante,

 

de miserável… aviltante!!!...

 

… mais um pedaço de pão,

cheira,

deita fora,

embalagem quase vazia,

lambe, guarda num saco,

ainda não foi embora,

 

não descola,

 

agarra,

abre com lentidão,

averigua aquela fatia,

não sente vómito, não sente asco,

é presunto,

meio amarelado,

coloca noutra sacola,

revolve,

torna a olhar,

revira, volta a revirar,

 

com uma visível indiferença,

pelo entorno,

pelo lugar,

 

no que havia de dar,

quando intenta… quando pensa!!!... Sherpas!!!...

publicado por sherpas às 21:08
link do post | comentar | favorito
|

... lá o vi!!!...

… lá o vi,

no sítio de sempre,

junto do contentor do lixo,

vasculhando,

atento, insistente,

 

restos, sobras, sacos vazios,

uma côdea dura,

restos de carne, fruta,

o que se encontra, se desfruta,

olhar aguçado, fixo,

longe dali, indiferente,

roupas sujas,

nódoa completa,

gastas, simples fios,

fome que avoluma, que aperta,

 

estômago já habituado,

 

martirizado,

 

na penúria, na miséria,

nos dias que passam,

lentos, escassos,

bem longe dos grandes repastos,

numa busca constante,

 

em qualquer lado,

 

na sobrevivência que se arrasta,

indigente de pouca monta,

quando se sente,

se afasta,

da vida passada, mais séria,

ainda com casa,

 

bem empregado,

 

imagem que não vê, que não conta,

entregue que está àquele estado,

 

vasculhador de contentor,

buscador de sobras, restos,

seja lá onde for,

num deambular permanente,

 

parco nas palavras, nos gestos,

 

sujo, nódoa… indecente!!!... Sherpas!!!...

publicado por sherpas às 14:22
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 23 de Outubro de 2006

... às vezes... somos Marqueses!!!...

… somos cordeiros, somos leões,

por eleições,

 

às vezes,

somos Marqueses,

 

por emoções,

 

bem ladeado,

aos pés,

leão domado,

 

eufórico,

 

ao lado,

quase cómico,

desbragado,

 

braços pelos ares,

gritando aos ventos,

alçando cachecol,

enfeitando seus pares,

 

esquecendo desventuras,

sempre a cantar,

doces momentos,

lá no alto,

depois de alçado,

venturas e glórias,

 

doces… vitórias!!!...

 

… por caminhos, por revezes,

às vezes,

quase sempre apagados,

encolhidos,

postos de lado,

tão comezinhos,

 

vamos à bola

 

ver como ela rebola,

como entra na baliza,

como se realiza

 

um golo, uma vitória,

 

quedamos eufóricos,

berramos contentes,

alucinados, quase cómicos,

 

cantamos,

entoamos palavras sonantes,

caminhamos para a praça,

tudo se passa

olhamos a fera,

 

somos alçados,

de ambos os lados,

 

somos leões,

sem eleições,

 

bem enfeitados,

tudo se espera,

esquecemos revezes,

 

às vezes,

somos Marqueses!!!... Sherpas!!!...

publicado por sherpas às 08:42
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 18 de Outubro de 2006

... velhos e... gastos!!!... (nova versão)

… saem de casa,

tugúrio sombrio, triste,

arrastam os pés,

dão passeio, sentam,

aguardam, uns pelos outros,

quando chegam,

olhos ainda vivos, perspicazes,

alguns, de cigarro em riste,

outros, com mais achaques, menos capazes,

tossem, escarram… suspiram,

 

ainda mexem, ainda respiram,

caminhada que se prolonga,

na casa dos setenta, nos oitenta e tais,

alguns, excepção honrosa, ainda mais,

 

velhos, pobres, gastos,

sem dinheiros,

aposentados de miséria,

ainda riem, dão pilhéria,

gargalham da penúria,

da incúria,

 

rijos, adoentados,

não fartos,

naquele retiro, naquele poiso, convívio,

à tardinha, jogam… sem pio!!!...

 

… o tempo passa,

fica a desgraça,

mantém-se o impasse,

na jogatana,

perto do lar,

longe da cama,

tão pequeninos, habituados,

naquele sítio, naquela praça,

junto ao jardim, perto de mim,

numa espécie de campeonato,

chego-me ao pé… quedo parado,

 

idosos, aposentados, são assim,

agarram no corpo, abrem as mentes,

falam com outros, enfrentam as gentes,

 

batem as cartas, com emoção,

pobre País… triste Nação!!!... Sherpas!!!...

publicado por sherpas às 15:15
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

... reformados!!!... (nova versão)

… naquele sítio,

sempre o mesmo,

debaixo de sombra frondosa,

um magote,

gente calada, interessada,

jogando, com interesse,

a esmo,

 

... mesa de pedra rugosa,

com um pano de cor esverdeada,

onde caem,

numa atitude vigorosa,

 

 

cartas velhas, sujas, gastas,

de tanto serem manuseadas,

 

 

ao longo das tardes quentes de Verão,

numa espécie de campeonato,

tal a minha sensação,

quando me aproximo,

sozinho,

me quedo,

estupefacto,

com os sorrisos, os ditos, a ilusão,

o empenho, a dedicação,

 

do homem velho, do mais velhinho,

naquele despique, naquele confronto,

fazer tempo, matar solidão,

 

ajuntamento… ponto de encontro!!!... Sherpas!!!...

 

 

  

 

 

 

 

publicado por sherpas às 15:13
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 17 de Outubro de 2006

... a pobreza... na Terra!!!...

… vidas alheias,

tão pequenas,

espalhadas,

 

sem cuidado,

pelos cantos mais sombrios,

 

 

excluídas pelas penúrias,

duras penas,

 

com gritos retumbantes

me faço ouvir,

evitando o que me faz rir,

 

face aos entristecidos

quadros degradantes,

revoltado pelo porvir

 

de seres que deixaram de ser,

 

corpos chagados… encolhidos!!!...

 

… à chuva, ao vento,

acabando por morrer

sem o pão nosso de cada dia,

 

pedaço dum simples carinho,

tolhido, obliterado, sozinho,

 

numa prece à Virgem Maria,

 

não rezo, confesso,

não professo,

 

lá nas alturas de quem não tem,

pobreza de quem é refém,

pária, desdém,

instituição que não o retém,

 

algoz de si próprio,

opróbrio,

 

maneira atroz de… viver!!!...

 

… acabar com a fome,

na Terra,

olhar bem o que nos cerca,

mente clara, mais aberta,

 

solidários,

 

fazendo guerra em todas as frentes,

protegendo os indigentes,

 

olhar para os carentes

 

desfazendo

nos que os superam,

os que geram…

 

os que não dão,

não comem, não gastam,

 

deixam fundação,

riquezas em demasia,

a elas se aferram,

com gula,

 

raivosos, deixam uma fantasia

para a posteridade,

 

pobre figura

quando falece… desmerece, anula!!!... Sherpas!!!...

 

publicado por sherpas às 18:51
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 16 de Outubro de 2006

... maravilhas mil!!!...

 

…natureza plena,

harmoniosa,

perfeição que se combina,

respeito mútuo por tudo quanto é Mundo,

indo ao fundo,

averiguando bem,

quem a não tem,

 

arte disseminada,

 

abrangente,

em tudo quanto é gente,

 

no sorriso duma criança,

numa mão que pede,

compungida,

num chicote que se levanta,

arremessa,

bate com força,

sem pressa,

 

destrói quem castiga,

que fica,

depois de vergastado,

diminuído,

castrado,

 

arte pungente,

vítima dum algoz,

dum demente,

 

artista… mais que feroz!!!... Sherpas!!!...

publicado por sherpas às 15:41
link do post | comentar | favorito
|

... quão depressa... se esquece!!!...

… existe,

em toda a parte,

 

a arte,

 

tudo que se cria no momento,

soar dum grilo no campo,

correr dum regato que canta,

rosa perfeita,

encanto,

 

marulhar do mar que salta

da tela que se pintou,

imagem que quedou

refém de quem a produziu,

tão bela,

perfeita se viu,

 

se enalteceu,

assim o mereceu,

 

como arte ficou,

música que extasia,

que brota de dedos velozes,

pianista que se aprecia,

que nos toca,

recorda melodia,

 

político que nos inebria,

nos arrebata, nos afasta,

nos engana,

 

desmerece,

 

quão depressa… se esquece!!!...  Sherpas!!!...

publicado por sherpas às 06:16
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 15 de Outubro de 2006

... tendências artísticas... políticas ou não!!!..

 

… a “nobre”

arte da guerra,

 

maniqueísmos de quem gosta,

de quem nela

aposta,

 

macabra, suja,

aberrante,

enfrentamento constante

 

entre o bem, entre o mal,

dualidade absurda,

bem confusa,

de quem pensa sempre igual

não distinguindo pormenores,

males maiores, menores,

 

sofrimentos atrozes,

 

dores que esgarram,

quando nos agarram,

dentro delas,

por azares,

 

políticas que também são arte,

políticos convictos,

pouco dignos,

míseros artistas,

autistas,

uns calhares,

vindos de qualquer parte,

 

entoando loas… ou hinos!!!... Sherpas!!!...

 

publicado por sherpas às 19:16
link do post | comentar | favorito
|

... a arte da... leitura!!!...

… leitura que nos afaga,

nos aconchega com seu abraço,

de artista,

pura arte,

a que existe

em toda a parte,

 

quando lemos, quando faço

poemas,

outras escritas,

bem aceites,

malditas,

logo de início, ao nascer,

qualquer ser

que desabrocha,

planta que germina na terra,

acabando por morrer,

 

arte pura,

imaginação,

renascer duma esperança,

quando se entende,

se alcança,

doce vida,

compreendida,

 

enaltecimento, ilusão,

em tantas partes,

até mesmo… com disparates!!!... Sherpas!!!...

publicado por sherpas às 08:47
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 14 de Outubro de 2006

... em qualquer parte!!!...

… a arte,

existe em toda a parte,

numa minúscula borboleta,

quando voa,

volteia,

num versículo qualquer,

num tremendo disparate,

como se pensa,

como se quer,

numa elegante senhora,

quando dança,

 passeia,

 

numa labareda enorme que incendeia,

num mau bocado,

num triste fado,

 

num discurso influente,

perante multidão pendente,

 

nas mãos dum malabarista,

dum vulgar carteirista,

 

num clarão,

num repente,

ilusão

que se sente,

 

alma de tanso, de artista,

quando,

 

convicto do feito,

recreia o pensamento,

embevece-se a seu jeito,

 

tal como vejo,

como penso,

sem mácula… sem defeito!!!... Sherpas!!!...

publicado por sherpas às 21:12
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 10 de Outubro de 2006

... um copo na... travessa!!!...

… com alguma pressa, numa travessa,

não de vitualhas, croquetes, acepipes,

nem de folha estanhada, porcelana fina,

tão pouco, base de terrina,

daquelas sopeiras tão torneadas,

de tempos idos, das Índias, nos trinques,

com pinturas próprias, refinadas,

caço a condizer, caldo fumegante,

em casa régia, p´ró extravagante,

trem de cozinha requintado,

luxos diversos, ambiente sofisticado,

ou, como sabemos, na cabeça duma menina,

bem longe de tudo isso,

para ser conciso, bem preciso,

numa ruínha, estreita, curva,

ligeiramente inclinada,

juntas, de há muito,

casas velhas… encostadas!!!...

 

 

 

… ouvi barulho, conversas animadas,

como fluido

que escorrega pela porta entreaberta,

mais uma, entre tantas,

plêiade de lojinhas, tabernas aconchegantes,

no tempo, paradas,

quanto a habitação própria,

nos andares de cima, nos telhados,

nos baixos, já recuperados,

quantos cativos,

naqueles recantos da travessa por onde vou,

algo me chamou,

pairando no ar, atmosfera plena,

cavaqueira amena,

rua estreita, atreita a estes encontros,

libações em meios de recato, privados,

odores que me chegam, convidativos,

com muitos vinhos, alguns petiscos,

aromas, palavreados, bom bocado,

naquele momento, antes do almoço

enquanto passo… enquanto oiço!!!...

 

… é normal nas cidades de interior,

nas casas velhas, ruas estreitinhas,

cozinhas esmeradas, entradas de sonho,

poucas mesas, balcão alto,

prateleiras que são um primor,

cervejas fresquinhas,

grupos de amigos de longa data,

uns copos de tinto, azeitonas, carne frita,

escabeches, enchidos de estalo,

um sabor, um regalo,

local que se agita,

ponto de encontro, sítio que alberga,

palavra que se grita,

gargalhadas que estalam,

quando me ponho na porta aberta,

convite que oiço, logo me proponho,

reviver o passado, golo que se compõe,

um não acabar, um recontar,

taberna que estimula, espaço de feição,

um recordar,

santuário, capela, ascensão,

tertúlia que se não esgota, que se entorna,

anedota que se conta, dedo que se aponta,

antes da refeição,

à casa torna,

sempre na hora… quando se conta!!!...

 

… era estreita, a travessa,

ligeiramente inclinada,

quando passei… ouvi, por ali,

conversa animada,

entrei… vi,

não resisti,

agora, sem pressa,

encostando a barriga ao balcão,

pedi um copo, piquei aqui, piquei além,

cumpriu-se a tradição,

dei conversa, recebi troco,

quando me olho,

assim… recordo!!!... Sherpas!!!...

 

publicado por sherpas às 21:42
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 8 de Outubro de 2006

... na "nossa" cidade, com Badajoz... à vista!!!...

… ainda não era noite, lusco-fusco,

apenas,

entardecer lânguido, morno,

numa tarde luminosa de Outono,

também lhe chamam crepúsculo,

sol cansado da jornada, duras penas,

olhos semicerrados, quase posto,

sem estar oculto,

por trás do casario,

que, de  branco se põe cinzento,

naturalmente, sem espavento,

desaparecendo,

lentamente,

ainda preso por um fio,

raio que teima em quedar,

espreitando, sem parar,

fixo naquele andarilho,

perdido… sem lar!!!...

 

 

… num caminhar intenso,

sem destino aparente,

olhar mortiço,

sem gente,

descontrolado arfar,

ainda novo, de corpo avantajado,

pessoa que conheço,

profissional, quando lúcido,

ao balcão de qualquer café,

comportamento mais que normal,

sem sentido,

num instante, por qualquer motivo,

perde o norte, anda a pé,

corre a cidade, grita, esbraceja,

não molesta, não complica,

Mundo fechado, estranho,

busca fuga do que o persegue

numa luta injusta, sem tréguas,

caminha quilómetros, muitas léguas,

não vê, não olha, não sente,

sem destino… doente!!!...

 

… passa o dia nisto,

percorre todos os lugares da cidade,

dura, triste realidade,

insisto,

quando em quebra,

baixa não premeditada,

vai embora, não diz nada,

deixa afazeres, clientes, amigos,

como regra,

tão normal na sua caminhada,

anda sem norte, barafusta,

olhares perdidos,

não vê, não nota, não conhece,

tudo esquece,

anafado, cansado,

por tanto lado,

penitência bem pesada que paga,

doença que o arrasta

que o persegue!!!...

 

… o raio de Sol que espreita,

segue-o, amigo,

dá-lhe alento, sentido,

tarda em se pôr, como os mais,

mantém aquele lusco-fusco pardacento,

fazendo o casario cinzento,

janelas bem abertas, portas que não cerram,

lamentam aquele esbracejar,

não temem os seus gritos

quando o vêem passar,

esperam,

tal como o brilho que o ilumina,

naquele fim do dia,

tarde morna, lânguida, outonal,

quando normal,

bem diferente… profissional!!!... Sherpas!!!...

 

 

publicado por sherpas às 17:26
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 7 de Outubro de 2006

... Há palavras... tão intensas!!!...

… há palavras tão intensas que,

quando as pensas,

não te limitas a levá-las,

não as calas,

ou as escreves, ou as escondes no pensamento,

por instantes… por momentos!!!...

 

 

… escolhes local apropriado,

quando falas,

quando mostras o que intentas,

descrevendo imagens que possuis,

quando intuis,

sob formas bem diversas,

quando comentas,

quando baralhas, quando compões,

com versos que arrimas,

quando te entreténs,

descarregas, tira-las de cima,

com empenho, encantamento,

passam por ti, não as deténs,

nem escravas, nem reféns,

de intensas que elas são

te provocam… emoção!!!...

 

 

… são portentos, quando entoadas,

ditas no lugar exacto,

próprias, adequadas,

são revoltas, são recados,

são mimos, são floreados,

soam como bofetadas,

quando surgem, inesperadas,

bem merecidas por quem,

não as pensa… não as tem!!!...

 

… há palavras tão intensas,

proferidas, bem sonantes,

maravilhas que são imensas,

mesmo isoladas, são gritantes,

poemas duma palavra só,

num encontro, deslumbramento,

pai, mãe, filho ou… avó,

amor, paixão, sofrimento!!!...

 

 

… transparência, amizade,

entrega com muita verdade,

renuncia em prol de alguém,

adeus, com muita saudade,

abraço a quem nada tem,

dor, humilhação, sofrimento,

esgar, morte, firmamento,

universo com raiva, com guerra,

mesmo aqui, em nós… mais longe, noutra terra!!!...

 

 

… compreensão, humildade,

tão fora da realidade,

palavras que nos consomem,

que nos embalam, embevecem,

martirizam, quase matam,

quando elas não se calam,

quando se dizem… proferem!!!...

 

… palavras lindas que afagam,

tão doces, rutilantes,

intensas nos seus amores,

próprias dos apaixonados,

deitam chispas, resplendores,

brilhos que cegam, quando pertos,

são namorados, são cegos,

imbuídos de coisas boas,

tantos, por tantos lados,

finas cantigas ou… loas!!!...

 

 

… convencimentos com propósitos,

enganos, outros negócios,

materialismos impuros,

palavras que são logros,

quando desviados, quando jogos,

na perfídia, na mentira,

jogada que se atira

que se inventa… que retira

qualquer poema, que não encaixa,

fazendo da mulher, meretriz,

vergonha que nos rebaixa,

quando se engana, se baixa,

o nível da conversa,

quando se detesta, como simples remessa,

fora de qualquer matriz,

sem intensidade nenhuma,

fazendo péssima… figura,

na palavra que se emprega,

quando se fala… se diz!!!...

 

… há palavras tão intensas

que, quando as pensas,

não te limitas a levá-las,

não as…

calas!!!... Sherpas!!!...

 

publicado por sherpas às 08:10
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 6 de Outubro de 2006

... eram extensas... as colinas!!!...

… eram extensas, verdejantes,

sempre as vi assim, colinas

com vales que se alongavam,

pujantes,

ribeiros que cantavam suas melodias,

saltitando no empedrado dos caminhos,

sobre seixos arredondados,

parando, fazendo charcos,

descendo, engrossando,

fazendo leitos mais alargados,

margens salpicadas de vegetação,

a natureza num cântico, um hino,

inebriante quadro, doce emoção,

seres que se remoçavam

mergulhando, espanejando asas alvoroçadas,

quando desciam, quando paravam

nos areais das suas margens, já rio,

águas lentas, transparentes,

crescido, bem liberto,

desperto,

quando lembro,

sorrio,

floresta bem repleta, arvoredo denso,

mundo que se completava, apartado,

luxuriante,

naquele recato, colina verdejante,

vale extenso, rio manso… quase parado!!!...

 

… memórias de passado recente,

antes da voragem,

imensa labareda se estendeu,

pincelada tétrica,

tudo ardeu,

tons cinza, enegrecidos,

dor de alma, vestígios,

local que se apagou, alterou,

colina escarpada, nua, com paus espetados,

ramos queimados, troncos escurecidos,

águas sujas que deslizam, aluviões,

na escuridão do dia que se pressente, trovões,

enxurrada que se arrasta,

nos encharca,

sítio bem diferente, onde dantes era mata,

local calmo, aprazível,

não visível,

fantasmagórica imagem que nos assombra,

que nos derruba os sonhos,

que nos avassala, que nos ensombra,

quando paramos… nos pomos

entristecidos!!!...

 

… claudico um pouco,

recordo imagens bem vivas, marcadas,

guardadas no íntimo mais profundo,

quase me sinto louco,

não quero, rejeito o que vejo,

cerros meus olhos, num repente,

critico impotentes, criminosos,

aberrantes comparsas desta trama,

depois de queimada pela chama,

paisagem da minha juventude,

colina verdejante, vale extenso,

quando penso,

desleixo, incúria… inquietude!!!... Sherpas!!!...

 

 

 

 

publicado por sherpas às 07:59
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

.Sherpas

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. ... cântico negro!!!...

. ... notas soltas!!!...

. ... estadia!!!...

. ... a velhice é... uma ch...

. ... os mal amados!!!...

. ... antes que... a vida, ...

. ... são... como as cereja...

. ... inclita geração!!!...

. ... guarda-chuva... color...

. ... acrimônia!!!...

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

.favorito

. ... antes que... a vida, ...

.links

.as minhas fotos

blogs SAPO

.subscrever feeds