Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Sherpasmania

... albergue de poemas, poesias e... outras manias, bem sentidas, por sinal!!!...

Sherpasmania

... albergue de poemas, poesias e... outras manias, bem sentidas, por sinal!!!...

20
Abr04

...revolução ou...evolução???...

sherpas



…foi revolução???...Certamente que foi revolução, uma quebra de grilhetas, de fortes correntes de aço, amarras cruéis, indignas que, durante décadas, mais de quatro, tudo perverteram, tudo negaram, a um Povo inteiro, a uma Nação fechada ao exterior, pequena, porque sempre o foi, explorada por caciques autistas e repimpados nos cumes do Poder, megalómanos extensivos ao Mundo, para lá das fronteiras, para lá dos mares, no que era deles, nas suas profundas, imensas ganâncias, o chamado Ultramar, colónias mantidas com o esforço de populações escravizadas, as que se revoltaram e criaram guerra, os terroristas de então, os que quiseram dizer não, os que lutaram pela liberdade do que lhes pertencia, da terra dos seus avós, contra quem, contra tudo e contra todos, com a obsessão da época, a do colonialismo, enviaram carne para canhão, durante anos, os combatentes forçados, vítimas desses algozes ferozes, os do passado, caricaturas, impuras e duras, num contexto, fora de toda a razão…sem alma, sem coração, única opção, quanto a eles… pois então!!!...

…maltratados na terra que os viu nascer, nas terras de além-mar, tão recordadas, com saudade e pena, por tristes figuras, agora no Poder, sombras gastas e descoloridas, hipócritas e fingidas, nascidas em berços de oiro, de mentes destorcidas, caricatas, compungidas…sem senso, sem consciência, dura excelência, jactante e excrescente, pouca gente, carrasco descendente doutras gentes, doutras mentes, de tantos povos, os espezinhados…mais que maltratados, por terras do Ultramar!!!...Quantos mortos, quantos esquartejados, sem pernas, sem braços, quantos pesadelos, de pôr em pé os cabelos, fantasmas, horrores, tantas dores, tantos gritos dilacerados, tantos ódios, terrores de todo um passado…os de triste memória, vergonhosa história!!!...Imposições, mais que muitas, abusos, aos montões, arbítrios e desmandos, de meia dúzia de pavões, de meia centena de cinzentos, com espaventos, sós, num Mundo, posto de lado, isolados, soberbos, arrogantes, anões, feitos gigantes!!!...A juventude fluía, despejava-se, de qualquer maneira, de barco, por avião, com uma missão, matar, esquartejar, dilacerar corpos e almas, doutras gentes, os terroristas do Ultramar, sujeitos, a tempo inteiro, naquele grande formigueiro, como qualquer guerreiro, rapaz pobre da aldeia, da vila do interior, doutor ou professor, de arma em punho, na mata densa e escura, no trilho, na picada, na explosão da mina que rebenta, fim da vida, vida marcada, um nada, pouca coisa…carne para canhão!!!...

…era a obsessão, era a confusão, era o império que, aos poucos, se desfazia, triste ideia, triste mania!!!...Aberração!!!...Por cá, como sempre, analfabetos por todos os cantos, pendentes de um aerograma, notícias dum filho, dum marido, dum neto, lidos pelo vizinho, homem de poucas letras, tempos de poucos saberes, de ignorâncias tremendas, afastados do Mundo, mudos e calados, vigiados por todos os lados, contidos, mantidos, pobres progenitores, sacrificados, explorados pelos dos dinheiros fáceis, os donos das terras, os donos de tudo, meia dúzia, meia centena…uma tristeza, uma pena!!!...Claro que foi uma revolução!!!...Foi mais que justificada, ansiosamente esperada pelos que, de tudo, não tinham nada, só a vida, a utilizada, como trabalho forçado, custoso e mal pago, como armas de arremesso, em terras distantes, nas colónias, neste pequeno País, anão, fazendo de gigante, uma ilusão, tremenda frustração…aberração!!!...

…todos desconfiávamos, todos sentíamos que algo ia mal, que Angola não era nossa, como apregoavam, como cantavam, nem a Guiné, tão pouco Moçambique…muito menos a longínqua Índia, tal como Timor, doce amor e outras terras, distantes, espalhadas pelos confins do Mundo, num Império de brincar, onde alguns se forravam, abusavam…a seu modo, a seu jeito mas, quem sou eu???...

…impunha-se e…deu-se, numa alvorada, num vinte e cinco de Abril, num ano que se não esquece, uma fronteira entre a imbecilidade, a falta de verdade, a ditadura, pura e dura, a que se tenta escamotear, burilar, por meio de alguns abortos, parcos escolhos, figuras de pouca monta, as que nos afrontam, pequenas minudências, extravagâncias que persistem, que insistem, que enganam, que baralham…porque querem retroceder, inflectir, regredir!!!...Pobres coitados!!!...Tristes bacocos!!!...


…claro que foi revolução!!!...Qual evolução, qual carapuça???...Na continuidade???...Que disparate!!!...Claro que algo se fez!!!...Muito mais haveria de se ter feito, com os milhões, os fundos perdidos, os mal parados, os desviados, tanto agora, como dantes, para prejuízo, para atraso, dos de sempre, deste Povo, o enganado, o que espera mais, o que foi e é abusado!!!...Estão em dívida para com ele, uma dívida enorme, a da fome, a da utilização incessante e cruel, de vidas, de gentes, impunemente, a da escravização permanente, durante décadas, a da ignorância mantida e alimentada, propositadamente, a da exploração sistemática, gritante, a da injustiça, a da indiferença, a da mentira, a da hipocrisia, a da fantasia, a do sonho prometido e logo negado!!!...Estão em dívida com ele, ainda não a pagaram, não se vislumbra, o acerto de contas, de boas contas, em paz, com verdade, desde há trinta anos que o prometem, desde há trinta anos que houve uma revolução, repito, uma REVOLUÇÃO que, para mal dos de sempre…ainda se não deu, porque… continua!!!...


…a evolução foi…natural, com o tempo, deu-se, sem sobressaltos, desequilibrada, mais para os mais, quase nada, para os menos, não vale fazer batota, não vale fazer cabeças, as dos simples, com mentirolas, com migalhinhas, com umas esmolas!!!...Na Europa, continuamos sendo, o que sempre fomos, os mais pobres, os mais tristes, os mais desvalidos, os mais calcados, os mais desprezados!!!...Somos primeiros…pelas piores razões, já estamos habituados mas, não calados!!!...Certamente que queremos evolução…onde está ela???...Que venha…aguardamo-la, ansiosamente, nestes dias que antecedem a REVOLUÇÃO, desde há trinta anos!!!...Não pode haver evolução com meio milhão de desempregados, com dois milhões de pobres, com meio milhão de miseráveis, com educação de rastos, com segurança social precária, com saúde, por um fio, com injustiças, mais que muitas, com reformas de tostões, com desequilíbrios aviltantes, uns com muitíssimo, outros com quase nada, com aumentos de um maço de cigarros, por mês, com demagogos no Poder, com populismos baratos, com incumprimento de promessas, com políticos forrados, com ricos, mais ricos, ainda, com bancos e seguradoras com lucros fabulosos, com fujões ao fisco, os dos milhões, com negociatas do arco-da-velha, com manipulações de défices, de informação, publicidades enganosas, todo um rol de disparates…constantes, continuados!!!...Não, meus amigos, a evolução foi tímida, pequena e, acompanhando os tempos, porque sim…natural e em relação a alguns, poucos, porque, no geral, continua revolução…a que se não deu, só se prometeu, por completo!!!...Com cravos, com humildade, com verdade, com amor pelo próximo, pelo mais desgraçado!!!...Tudo o resto são…tretas e amanhanços, à vista dos mansos, dos brandos, dos de sempre!!!...Mas, quem sou eu, pergunto e…torno a perguntar???...Sherpas!!!...

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2005
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2004
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub