Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sherpasmania

... albergue de poemas, poesias e... outras manias, bem sentidas, por sinal!!!...

Sherpasmania

... albergue de poemas, poesias e... outras manias, bem sentidas, por sinal!!!...

01
Abr04

...barbearia...virou salão!!!...

sherpas

... e porque estamos em Abril e… o Povo, o nosso, continua no seu melhor, como sempre, digno e vertical, tal e qual, numa barbearia, num sítio qualquer!!!... …só fazendo parte dele, convivendo com ele, sentindo-o, todos os dias, nos lugares mais diversos, sem ser mais, sem ser menos, tal e qual, mais um, entre tantos, anónimo e insignificante, parte de um todo que, quando junto, é gigante, tudo faz e… desfaz, a seu jeito, como lhe apraz, porque é capaz…! se compreende, se entende, se satisfaz, como POVO, o nosso, que, quando quer, não é manso, nem brando, é justo, equilibrado e profundamente sabedor, mais do que qualquer… doutor, dos do topo, os convencidos, pobres coitados!!!... …fui ao barbeiro, cortar, nem sei o quê, alguns cabelos que teimam em me incomodar, quando crescidos, embora poucos e ralos porque, meus amigos, a idade não perdoa e já lá vão os tempos dos cortes modernos, p´rá época, cabelos fartos e em juba, tal como os leões, tal a fartura, domados com cremes, fazendo ondas, fazendo popas, com patarras fartas, caindo pelos ombros… fantasias, tal como muitas, ilusões, próprias da pouca idade, de quando ainda olhava para a sombra e… me convencia do que (…pensava eu!!!...) valia!!!...Sou conservador, quanto a hábitos de vida e, embora pertença ao número dos que fazem o seu corte de cabelo anual, devido a circunstâncias naturais, a escassez do dito, gosto de frequentar o sr. D………, na sua barbearia, a de sempre!!!...Naquela casinha modesta, perdida no meio de muitos prédios, de vários andares, resistindo ao tempo, aguentando sempre, aqui às portas de Lisboa, zona dormitório da referida, como tantas, tenho o encontro periódico com o Mestre, ou com o filho, que me ajeitam a figura, quanto a moldura, claro, já gasta, de pouco brilho!!!... …não fui muito sincero quanto ao facto de apelidar de barbearia o que, por transformações profundas, já não é!!!...Agora, por uma questão de actualização, de garantia de futuro para o rapaz, ainda novo e provável sucessor do Mestre, modificaram o seu interior e… virou salão, com nome pomposo até, cabeleireiro de homens, pois então!!!...São os tempos e… as reformas que se tomam, que se fazem, actualizações permanentes, gostos diferentes, são satisfação dos clientes, dos que se mantêm… pela maneira simpática como somos servidos, pelo desenfado, pelo saber ouvir, paciência exacerbada de quem, pela idade e pelo contacto, é um artista, pela arte que pratica, pela arte de ouvir…, bom conversador, sábio… até!!!... …o salão é actual, de linhas sóbrias, limpas, agradáveis, impecáveis, quanto a mim, quanto a todos, os que o frequentam, cadeiras novas, confortáveis, espelhos que são um espanto, cadeiras para os que aguardam a vez, com jornais diários e…televisão, um pasmo!!!...No outro dia, como já disse, fui lá, cumprimentei e sentei-me, peguei no jornal e tentei ler as gordas, as garrafais, mas… qual quê!!!...Não, não era da TV, tinha o som baixo, quase inaudível, era um senhor, já de idade, mais para os oitenta do que para os setenta, magro de corpo, cabelos brancos, mas fartos, fala-barato, português castiço, em pleno juízo, memória sagaz e matreira, uma história viva, uma enciclopédia… no que, ao nosso País, respeitasse, antes e depois da revolução, especialmente agora, nesta bagunça desembocada, as políticas neo-liberais praticadas, as da irresponsabilidade, do desemprego, da insegurança, da fome que alastra, da falta de dinheiro, da nova geração, a mal habituada, da ladroagem que abunda, da falta de confiança, inclusive nas aldeias, na dele, onde, em tempos, as pessoas não se preocupavam com portas, nem com fechaduras e punham a chave num buraco da parede, dentro dum vaso qualquer, por baixo dum tapete…... sei lá!!!... …o Mestre cortava-lhe o cabelo e… ouvia, vezes por outras, dava-lhe uma dica, uma observação muito subtil e ele, o velhote sagaz e matreiro, insistia, papagueando suas razões, seus medos, suas certezas, suas confusões, suas conclusões!!!...Um filósofo da vida, mais um, dos muitos que não são aproveitados, dos que estão postos de lado, com conhecimentos acumulados ao longo da sua longa vida, português de gema, irrequieto, inquieto, crítico e mordaz, num salão de cabeleireiro, Moderno e vulgar, como outro qualquer, centro de sentires, confessionário de pessoas anónimas, de insignificantes, tanto agora, como dantes…, onde fui, como faço periodicamente, ajeitar estes cabelos dispersos, já ralos e escassos, donde saio, cada vez que o faço, mais rico, satisfeito com as gentes do meu País, as verdadeiras, as autênticas, as que têm, na ponta da língua, os males que lhes assolam a alma, lhes magoam o coração!!!... …grandes lições a vida nos dá, a cada momento, numa determinada altura, em qualquer lugar, aqui e ali, em todos os lados, basta ver, ouvir e… pensar, registando, depois, falando ou escrevendo, emocionado, estes episódios, gratos e gratificantes!!!...Escusado será dizer que, a dada altura, entrei na conversa, fiz as minhas intervenções, curtas e precisas, concisas, mais com intenção de alimentar aquela fogueira de saberes, aquele armazém de experiências, de toda uma vida, de uma pessoa com certa idade, mais para os oitenta do que para…os setenta!!!... …só convivendo com eles, fazendo parte do mesmo, no dia-a-dia, se compreende, se aceita, se satisfaz, quando nos apraz, nos inunda de prazer, viver com esta grande gente…a de sempre!!!...Não são brandos e mansos, como muitos pensam…, sabem bem o que pretendem, têm tido azar com os políticos, desde há trinta anos para cá mas, quem sou eu???...Sherpas!!!...

01
Abr04

...carisma!!!...

sherpas
Carisma


Ter carisma no viver,
uma sorte exacerbada
em tudo, só por querer,
ser criatura afortunada
na vida, até morrer,
é caso pouco vulgar,
difícil de encontrar,
mas, sempre há bafejados,
nos meios mais elevados
pelo dinheiro, pelos imóveis,
filhos de pais notáveis,
os copinhos de leite,
bétinhos de puro enfeite,
imprestáveis confessos,
assumidos tropeços,
continuadores de fortuna,
herdada logo à partida,
começam com boa vida
em lugares de chefia
sem nunca, nem por um dia,
terem sofrido amarguras,
noites em claro, escuras,
insónias produzidas
pelo incerto, nas muitas idas,
que se obtém,
quando não se é ninguém,
se procuram as saídas,
na empresa, no armazém,
solução de tantas vidas
que dependem de um salário,
magro, curto, bem caro
no trabalho despendido,
no esforço físico, mental,
gasto, bem sofrido,
num acto não natural,
que nos faz bastante mal,
com o qual se adquire
o reles, vil metal
que nos empurra, permite
ir vivendo, sofrendo,
enquanto os tais, os mais,
menininhos todos iguais,
filhos de ricos pais,
se entregam ao desporto,
despendendo algum esforço,
para não rebentarem
porque, pelo excesso de lazer,
de tanto vadiarem
ficam paranóicos, coitados,
dão em estróinas, drogados,
falsos, péssimos empresários
que desbaratam relicários
acumulados pelos progenitores,
pobres vítimas, criadores
de pequenos reinados,
com lacaios, os criados,
os que vivem dos ordenados,
os sem carisma, os de tristes fados,
sofredores, no corpo, na alma,
que pouco dormem, na cama,
os que têm uma vida de merda
admiram as obras, de cerca,
que eles próprios construíram,
que nunca usufruíram,
que vivem, vegetando,
comendo o que vão ganhando,
com frios suores e lágrimas
nos trabalhos de que são vítimas
enchendo, e bem, as barrigas
dos riquinhos, com carismas
infinitos, deslumbrantes,
que se passeiam, espampanantes,
tanto agora, como dantes!...


…Sherpas!!!...


01
Abr04

...creio!!!...

sherpas
Creio


Por pouco que saiba dizer
sobre tudo que nos rege a vida,
sempre quero e faço crer
que, para quem nela acredita,
ela é doce, amarga e esquisita,
é bela, harmoniosa e bendita,
bem custosa, horrível e sofrida,
é tantas coisas, ao mesmo tempo,
tão diversa e tão complexa,
tão falha e cheia de sentimento,
um sonho real que se anexa
à existência, que se esvai,
de qualquer ser existente,
seja bicho, planta ou gente,
dotado daquele “toque”,
daquela magia suprema,
daquela chispa, daquele acorde,
daquela centelha eterna
que nos incorporou a todos,
que nos igualou, no respeito,
na plural simpatia
pela natureza, a preceito,
pelo ambiente, pela alegria,
pelo doce remanso,
pela agradável harmonia,
pelo entendimento, pelo descanso,
pela paz, na totalidade,
desta vida em que acredito,
toda ela, uma verdade,
um Dom que nos foi prescrito
por Algo mui superior,
pelo Eterno, em quem acredito,
nosso Dono, nosso Senhor!...


…Sherpas!!!...
01
Abr04

...poema!!!...

sherpas

Poema


Tenho escrito e escrevo,
de muitos feitios e algum jeito,
poemas sobre situações,
românticos, de ilusões,
satíricos, que fazem rir,
alguns cínicos, a zurzir
sobre os mui convencidos
destes pobres mortos vivos,
que, afinal, todos somos
nestes breves e curtos sonhos
a que chamamos de vida,
período de chama, sentida,
que se apaga, de repente,
levando toda a gente
para a longa eternidade,
sítio escuro de verdade,
onde não há distinções
entre pobres e figurões
e, decerto, somos iguais,
nem de menos, nem de mais,
almas informes, difusas,
parecidas com as medusas
dos oceanos enormes,
vogando, disformes,
sem destino certo,
lá ao longe, ou mais perto,
da sombra do Criador,
um Deus ou um Senhor,
que permite e consente,
o que nos passa pela mente,
fazendo-nos baixos e cruéis,
hipócritas na fé, infiéis,
nos valores e nas crenças,
destruindo esperanças,
adorando o efémero,
da distante utopia,
imaginária fantasia
que nos torna bem ridículos,
nos poleiros e nos pulos,
nas funções desempenhadas,
onde as invejas e palhaçadas
abundam aos montões,
por causa de vénias e tostões
que alimentam o nosso ego,
vidas que contesto e nego,
com dureza e sarcasmo
nos poemas que escrevo e faço,
nos meus momentos de lazer,
com satisfação e prazer!...


…Sherpas!!!...
01
Abr04

...para MBedina...com respeito e admiração!!!...

sherpas
…os pontinhos, as reticências, os pontos em triplicado, MBedina, como sabe, desde há tempos, noutros fóruns, os trancados (…não sei porque razão!!!...), foram sempre, continuam sendo, um pretexto, no contexto, um incentivo, um aviso, uma questão, profunda admiração…num jeito, com que fiquei, no qual me sinto a gosto, quando escrevinho e penso, sobre os problemas que nos afligem, aos bem formados, aos preocupados com…os postos de lado, os nossos desempregados, os mais carentes e fracos, os usados e…abusados!!!...


…os desempregados vão aumentando, cerca de duzentos por dia, é um massacre, uma razia, uma insegurança para muitas famílias, precariedade que se avoluma, nos que estão por um fio, temerosos, situação mais que ingrata, caricata, aflitiva!!!...Que tipo de governação será esta, a Moderna, segundo dizem… impávidos e serenos, como se não tivessem nada que ver com esta hecatombe, a que se generaliza e…aumenta, como se nada!!!...

…quando se elege alguém para orientar qualquer País, os que o fazem, os que os colocam no Poder, fazem-no, acreditando que os tempos futuros serão melhores do que os anteriores!!!...É essa a razão que os leva a colocar a cruzinha no lugar que pensam ser o mais indicado!!!...Mas, passados que são dois anos e piques, após uma resma de promessas incumpridas, perante tantos dislates, disparates, assentes numa obsessão sem sentido, com resultados desastrosos, só vistos…somos levados a descrer, somos levados a pensar, somos levados a concluir que, algo está errado!!!...

…é que, queiramos ou não, estamos a regredir em todos os sectores, especialmente em algo que é fundamental, o direito ao TRABALHO!!!...Apena-me a situação de meio milhão de portugueses, os que ainda são novos para se aposentarem, os que já são velhos para recomeçarem!!!...Triste dilema…grande problema, sofrido na carne, sofrido na pele, uma não existência provocada por ganâncias exacerbadas de alguns, os mais forrados, com o aval desta desgovernação, a que…olha para o lado, pois então!!!...

…papel redutor e medíocre o dum governo que se limita a pagar, quando paga, o subsídio de desemprego e…não tem imaginação suficiente para criar novos postos de trabalho que absorvam esse exército…o dos excluídos!!!...Não é com aparências que se dá confiança aos cidadãos de uma Nação!!!...Sempre ouvi, a estes senhores, a cantiga da culpa do anterior, do que fugiu, segundo afirmam, à saciedade!!!...Que nos interessa isso…já é passado!!!...A situação actual está bem pior do que a do tempo do anterior!!!...Queremos feitos, queremos factos reais, concretos, queremos postos de trabalho!!!...Não nos aquietamos com exemplos, com palavras sem nexo, com profecias e promessas…as que se arrastam, as que se não concretizam, as que nunca chegam!!!...

…Espanha, para nós, não é rumo, não é objectivo!!!...A economia dos espanhóis só tem aparência porque, em taxa de desemprego, é um ver se te avias!!!...Não pretendam experimentar aqui, o que lá fizeram…não serve, não resolve, antes agrava!!!...Trabalhar é um direito fundamental do ser humano!!!...Tentemos equilibrar o que se vai desequilibrando, cada vez mais, o fosso enorme entre os muito ricos e os que nada têm!!!...Tentemos aceitar, como erradas, as políticas presentes, as que se praticam, as que não levam a nada, pois claro!!!...

…deixemo-nos de fantasias irrealistas e sem préstimo!!!...Arrepiemos caminho, antes que seja tarde demais!!!...Falsas promessas, a poucos meses das próximas legislativas, não deixam de ser o que todos sabem…uma maneira de enganar os tansos, os mansos, os de sempre, com intuitos, sempre os mesmos, de obter votos, de renovar o Poleiro, de manter as mordomias, de regressar ao mesmo, depois de instalados…como se nada, quiçá!!!...

…ele, o primeiro desta Coligação, consequentemente, o primeiro deste País, afirmava, em tempos não muito recuados, que tinha de roubar o oiro ao bandido!!!...Conseguiu concretizar o objectivo a que se propôs, roubou o oiro ao bandido!!!...Pergunto… além de satisfazer clientelas várias, de usufruir, tal como os seus apaniguados de governação de mordomias e benesses imensas, de direccionar o dito, sempre no mesmo sentido, dos mais forrados, o que tem ele feito do referido???...É que, por mais que tente, não vejo nada, nada sinto, não auguro, não futuro…só oiço palavras inconsequentes e promessas, com determinadas intenções!!!...Assim, não vale…as instituições existem e mantêm-se, as pessoas, quando incompetentes, mudam-se e esquecem-se!!!...

…sou dos que pensam, como simples anónimo do Povo, que tretas, tricas e truques, meias verdades e mentiras, politiqueiros e politiquices, quando em demasia, aborrecem, enchem, criam desinteresse, originam falta de confiança!!!...Deixemo-nos de fantasias, de palavreado de gentes de topo, dos mais excelsos e sabedores, com estudos aprofundados, crânios mais que dotados que, após divagações mil…obtêm sempre os mesmos resultados, nada ou quase nada!!!...

…andamos nisto, desde há muito, vai sendo tempo de repensarmos, vai sendo tempo de batermos com os pés, de exigirmos, a sério, não a fingir, um País como deve ser…não um faz de conta, de brincar, como se nada!!!...

…uma barbaridade…os desempregados vão aumentando, cerca de duzentos por dia!!!...Dá que pensar, não dá???...Mas, quem sou eu???...Sherpas!!!...
01
Abr04

...a nave!!!...

sherpas
A nave




Num céu pardacento
de nuvens espessas, dispersas,
dum dia sem vento,
sem sons, sem conversas,
surgiu uma nave,
comprida, oval,
tal como uma ave,
no seu meio natural,
esvoaçava sem esforço,
dum lado para o outro,
com rápida velocidade,
fora da realidade,
fazia-nos pasmar
pelo irreal da situação,
pelo insólito, inesperado,
por nos fazer pensar
que seria a ocasião,
o momento tão esperado
por todos os terráqueos,
desde há muito, muito tempo,
da era dos répteis, batráquios,
das construções, dos monumentos
erigidos às divindades,
desconhecidas, prepotentes
disfarçadas de inverdades
totalmente ausentes
dos seres desprotegidos,
nesta Terra sem futuro,
bem confusos, perdidos
nas falsas fés, no impuro,
nos desmandos naturais
próprios de brutas feras,
os chamados irracionais,
em cruéis. loucas guerras
que não têm um final
porque não surgiu o Messias,
numa nave espacial,
ao longo de tantos dias,
anos, séculos, milénios,
que nos desse, como prémios,
ansiadas fantasias
como a desta nave veloz
que está por cima de nós
que parece prometer
o esperado milagre
dos que, no seu viver,
ouviram falar ao padre,
ao cardeal, ao bispo,
dum feito, nunca visto,
dum ser sobrenatural
que viveu, como igual,
no meio da humanidade,
pregando toda a verdade,
durante trinta e tal anos
até à sua crucificação,
feita pelos romanos,
provável ressurreição
do mundo dos mortos,
dos direitos, dos tortos,
no julgamento final
dum Deus espacial
que nos virá visitar
num dia pardacento,
sem barulhos, sem vento,
numa nave inesperada
comprida, ovalada!...


…Sherpas!!!...





01
Abr04

...escrevinhar!!!...

sherpas

...escrevo

porque escrevo,

escrevo porque me dá gozo,

escrevo porque sinto necessidade de deitar para fora o que me vai dentro,

escrevo porque, escrevendo, racionalizo melhor o irracional,

compreendo melhor ou, tento compreender, o que se não compreende...

 

 

tal como dizia Mia Couto,

a escrita,

é a verdadeira arma de destruição maciça,

quer dizer,

a verdadeira arma de construção maciça...

 

quem escreve, quem lê

melhora bastante em relação aos que são partidários da ignorância endinheirada...

 

o novo riquismo não leva a lado nenhum,

quer dizer,

encaminha-nos, por uma vereda de estupidez,

ao pântano da ignorância total...

 

deslumbramentos não são objectivo,

são escape dúbio, sombrio,

para os que se convencem,

para os que se pavoneiam,

para curtos de espírito

para os ambiciosos desmedidos, palermas...

 

 

fugir à estupidez, à ignorância parcial ou total

é obrigação de todo e qualquer um que tenha um mínimo de respeito por si próprio,

porque: ---

 

Escrever,

só por escrever

sem ter nada que dizer

ou mostrar o que quer que seja

do que pensa ou do que veja

é pura idiotice

uma grande patetice

de quem não tem que fazer

e acaba por se aborrecer...

 

Ter ideias, pensamentos

sobre tudo, sobre nada

é possuir sentimentos,

é como uma escalada

ao âmago da existência,

como uma funda experiência

que nos inebria, enaltece,

 

Nos eleva, enobrece

nos enche de empatia

nos dá tristeza, alegria

num enorme desconcerto,

na certeza, um desacerto

p´lo incerto,

simpatia...

 

Uma razão p´ra viver

no profundo do nosso ser

que entra em sintonia

com a pura fantasia

deste breve intervalo,

um saltinho de cavalo,

desde o nascer esperançoso

até ao final choroso

da linda sinfonia

que nos acompanha de dia

ao triste vendaval

que nos arrasta p´ró final!...

 

É aproveitar e... bem

o Dom que Deus nos dá...

Feliz de quem o tem

porque só...

nunca está!!!...

 

A solidão

para quem tem que escrever

é uma grande companhia

porque, ao coração

vai rebuscar e... trazer

o que nos deu alegria...

 

Por vezes, nas recordações

encontramos espinhos aguçados,

quebram-se as ilusões

tornamo-nos amargos, desiludidos...

 

Então... escrevemos com tanto fel

que nos apetece ser cruel

com tudo, com todos que nos rodeiam

como se apaziguássemos os demónios que nos incendeiam!...

 

Escrever é um prazer

difícil de descrever!...

 

Escrever sobre ideias, imagens

torna-nos bons, dá-nos vantagens

sobre os outros,

mais infelizes

porque nós, os que escrevemos

vivemos duas vezes...

porque queremos!...

 

Escrevam,

ponham no papel tudo o que sintam,

tudo o que os revolta,

tudo o que vos faz sentir mal,

escrevam

porque, as escrevinhadelas,

são a verdadeira arma de construção maciça

em prole duma sociedade melhor...

 

não se deixem embalar com mentiras,

falsas promessas, vigarices de xico espertos,

demagógicos e...populistas.

 

Simples pensar dum vulgar cidadão anónimo deste País onde,

para nosso mal,

ainda proliferam tantos analfabetos... Sherpas!!!...

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2005
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2004
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub