Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sherpasmania

... albergue de poemas, poesias e... outras manias, bem sentidas, por sinal!!!...

Sherpasmania

... albergue de poemas, poesias e... outras manias, bem sentidas, por sinal!!!...

03
Abr04

...já lá vão... os tempos!!!...

sherpas
Homo Sapiens

Já lá vão os tempos,
já passaram essas eras,
os tempos dos inventos,
os tempos das esferas,
do desconhecido, do ignoto,
do medo pelas estrelas,
da fuga dum corpo morto,
das superstições, bruxarias,
das rezas, das alquimias,
da redenção pelo fogo,
no tempo da inquisição,
o receio pelo sol posto,
o abrigo, na escuridão,
nos fundos duma caverna,
todos juntos, ao montão,
sem claridade, sem luzerna,
tempos remotos, diversos,
seculares, mais recuados,
distantes, esquecidos berços
sem memória, quase apagados,
dos que se quedaram nuns traços,
nuns rabiscos, nuns pedregulhos,
em restos de porcelana, nuns passos,
nuns ossos, nalguns entulhos,
em obra escrita, nas paredes,
em pedras fúnebres, em cascas,
em papéis velhos que ledes
em relicários escassos, rascas,
em bibliotecas monacais,
nuns que outros jograis,
ou nos cronistas de serviço,
da época, pois então,
nas armaduras, sem viço,
nos apetrechos de latão,
nas espadas, lanças, setas,
nas tapeçarias reais,
nos copos, pratos, peças,
noutros pontos finais,
noutros objectos grosseiros,
arrastados por animais,
burros, bois, cavalos,
por homens menos iguais,
escravos, simples vassalos
das casas senhoriais,
noutros tempos, noutras eras,
tempos de inventos, esferas,
tempos bem mais recuados,
sem memória, quase apagados,
no berço da escuridão,
no princípio da ilusão!...

…Sherpas!!!...
03
Abr04

...passarada!!!...

sherpas
Passarada


De madrugada, quando me levanto,
quase de noite, bem cedinho,
abro a janela, oiço o canto
de várias aves, bem pertinho,
muito mais madrugadoras,
sempre alegres, joviais,
não se importando com horas,
porque são simples pardais,
vivendo cada momento,
da sua curta existência,
com total empenhamento,
dando sabor à vivência
desse escasso período,
partilhado, já esquecido,
nos meus tempos de miúdo,
d´outro tempo, já vivido,
na minha terra de origem,
pequena, no Alentejo,
onde nasceram, vivem
pessoas que, há muito, não vejo,
que, comigo, partilharam
essa entrega, essa paixão,
que nos deram, nos mostraram,
nos campos, a ilusão
da natureza mais pura,
do belo, harmonioso,
do que sempre dura, perdura,
do singelo, do mais formoso,
dos cantos da passarada,
dos verdes da vegetação,
dos cheiros da madrugada,
dos acordes duma canção,
do silêncio alto, gritante,
da brancura nívea, total,
do vermelho, mais berrante,
das papoilas, em geral,
do azul do céu, celestial,
das águas bem cristalinas,
dos rios de pouco caudal,
dos montes, das colinas,
tantas e tantas lembranças,
de quando éramos crianças,
nos afluem, por instantes,
nestes lugares mutantes,
corroídos pelo progresso,
pelo casario em barda
que, sem mostras de retrocesso,
tudo absorve, abarca,
tudo destrói… estraga!...



…Sherpas!!!...
03
Abr04

...autista!!!...

sherpas
Autista


Com um punhado de palavras,
com sentimentos variados,
com as penas com que lavras
os papéis, imaculados,
com metáforas altissonantes,
meio abstractas, pouco concretas,
com frases revigorantes,
de ignotos, de ascetas,
de gentes poucas, desconhecidas,
nada vistas, escondidas,
vulgares, quase esquecidas,
com um Dom, que é natural,
uma bênção dada por Deus,
um trovador, um jogral,
debaixo destes imensos céus,
nesta época de virtualidades,
de comunicação global,
de puras, falsas verdades,
do que não é natural,
do que foge ao humanismo,
ao romântico, poético,
do puro, péssimo capitalismo,
do egoísta, fanático,
vivo eu, um metafórico,
um poeta assumido,
sossegado mas, retórico,
realmente compungido
com a realidade desta gente,
que foge ao que se sente,
que nada lê, pouco escreve,
que esconde os sentimentos,
fútil, vazia, oca, leve
que espalha pelos ares, aos ventos,
o que manuseia, não teve,
o que utiliza, estropeia,
que clama alto, de viva voz,
como uma espécie de panaceia,
que é uma fera vil, feroz,
sem poesia, com autismo,
adoentada… sem romantismo!...

…Sherpas!!!...
03
Abr04

...começo!!!...

sherpas
Começo


Meta que se alcança,
objectivo já atingido,
barreira que se passa,
um tempo já vivido,
porta que se abre,
horizonte mais alargado,
noção de que se sabe
menos jovem, já formado,
princípio duma vida,
caminho começado,
responsabilidade assumida,
sem sonho, sem utopia,
uma realidade concreta,
certeza sem fantasia
um momento que se acerta,
altura de festejar,
de partilhar em conjunto,
depois de alcançar
nova fase, novo mundo,
esfera da realidade,
do labor, criação,
de maior liberdade
na subtil orientação,
nas ilusões pensadas
das ideias concebidas,
depois de realizadas,
ultrapassadas, vencidas,
desta vida… doutras vidas!...

…Sherpas!!!...
03
Abr04

...Assembleia!!!...

sherpas
Assembleia


Tão nobres, excelentes,
estes devotos eleitos,
esta chusma, estas gentes,
detentores de grandes feitos,
exímios no palavreado,
na arte de bem enganar,
enrolam o eleitorado
ajudando a desgovernar,
dizem mal, na oposição,
aplaudem, agradecem
se estão com a situação,
o Governo que enaltecem,
por vezes, algo aprovam,
numa clara justificação,
mesmo se pensam e reprovam
uma lei ou uma moção,
ao ordenado que auferem,
à vida grande, de estadão,
enquanto por lá estiverem,
na Assembleia, pois então,
a alma bem latente,
desta pequena Nação,
desta minha pobre gente,
destes escrupulosos eleitores,
que alimentam estes senhores,
excelências, doutores,
democratas perfeitos,
fazedores, autores,
com gestos, com jeitos,
com palavras, ardores,
de projectos imperfeitos,
que podem descambar
em leis, para governar
o Zé, o povo em geral,
muito bem… ou muito mal!...

…Sherpas!!!...
03
Abr04

...os convidados do...Bobo!!!...

sherpas
Os convidados


Entra com uns considerandos,
umas graças bem actuais,
aviva casos, descortina meandros,
faz-nos rir dos “mais iguais”,
conversa com os convidados,
meio a rir, meio a brincar,
ora os mantém sentados,
como os põe logo a cantar,
não os aflige, não os magoa,
dá-lhes força para aguentar
aquele teste, aquela loa,
a fingir, a sério, a dançar,
pois o “bobo” não perdoa
o público sempre a puxar,
com família, muitos amigos,
bem focados, sempre a sorrir,
protegidos dos muitos perigos
que surgem, que hão-de vir,
naquele palco tão imenso,
tão aberto, muito denso,
tão concentrado de malícia,
onde tudo se esfumaça
numa onda de alegria,
numa conseguida chalaça,
numa breve fantasia,
numa farsa, pura magia,
num ridículo que se desfaz
de quem foi, de quem é capaz,
dum convidado amedrontado,
figura bem conhecida,
que, depois de confrontado,
levou aquela de vencida,
a loa, o teste, a farsa,
concreta, bem conseguida
pelo cómico, que investe,
pelo bobo da nossa vida,
pelo palhaço com que se veste,
este homem irreverente
que se ri, que se sente
um rosto de tanta gente,
uma voz dos que muito calam,
que pensam, pouco falam,
dos milhões, tantos e tais,
que são…menos iguais!...

…Sherpas!!!...
03
Abr04

...o Bobo!!!...

sherpas
O Bobo


Rechonchudo, pequenino,
cara de alarve, sem vergonha,
com caprichos de menino,
dotado de manha, ronha,
ascendeu ao estrelato,
dentro da piada brejeira,
é um bobo hábil, nato,
rei da brincadeira,
temido, considerado,
pelos que estão na ribalta,
faz de qualquer convidado
um trouxa, um patarata,
tem uma certa inclinação
pelo sexo, taradices
que, com ou sem razão,
explora, nas malandrices,
usando, abusando,
na frente de um qualquer,
seja homem ou mulher,
ministro ou presidente,
padre, frade ou escritor,
todo o tipo de gente,
desde o pedreiro ao doutor,
que se desbananam, permissos,
perante tanta irreverência,
como carneiros mui submissos,
deste palhaço, desta excelência,
deste menino muito mimado,
cómico de sucesso,
que põe preconceitos de lado,
que rejubila com o sexo,
que está bem amanhado,
no que a dinheiro se refere,
bem gordinho, alimentado,
com o que mais prefere,
uma mesa bem composta,
peixe, carne à posta,
doçarias, guloseimas,
que por manias, teimas
tanto afasta, como devora,
tanto ingere, como deita fora,
pobre bobo da corte,
rico menino engraçado,
baixinho, atirando p´ró forte,
biltre alegre, apalhaçado!...


…Sherpas!!!...


Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2005
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2004
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub