Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sherpasmania

... albergue de poemas, poesias e... outras manias, bem sentidas, por sinal!!!...

Sherpasmania

... albergue de poemas, poesias e... outras manias, bem sentidas, por sinal!!!...

26
Dez04

...mesmo com... catástrofes naturais!!!...

sherpas
… o tempo da caridadezinha… já passou!!!...

… a noite da consoada, na rua das cidades, das vilas…dos povoados, em geral, caracteriza-se pelo sossego, pela acalmia, pelo recolhimento, não se costuma ver quase ninguém!!!... Vezes por outras, um que outro retardatário, mais atrasado, com embrulhos, sacos e saquetas de plástico, nas mãos que, conflui, se direcciona para uma casa de habitação… onde se houve gente, rumores, um som, uma gargalhada, um cantar!!!... Todas as famílias comungam, em uníssono, em paz, em alegria… essa magia, esse bem-estar, tão próprio, tão íntimo, tão aconchegante!!!... A noite vai-se estendendo, vai-se alargando e, a dado momento… começam a sair vultos, uns mais abrigados que outros, por volta da meia-noite… que se encaminham para o largo da igreja!!!... É a missa do galo que… está quase a começar!!!... Curioso que, nessa missa se encontram… já em criança via, pessoas que não são tão praticantes como isso!!!... Pela época, pelo espírito… abrem uma excepção, mostram o que são!!!...

…no regresso…é a ufa ufa, o desembrulhar das prendas, os beijos, os abraços, os agradecimentos, uma confusão plena de emoção!!!... Depois… bem, depois, o terminar do dia, o regresso aos lares, o recolher ao leito, já tarde!!!... Mais um Natal se passou!!!... Para o ano… que seja melhor, todos esperam!!!...

…e, a magia… por uns tempos, alarga-se, permanece, nas mentes e nos espíritos, bem marcada, bem vincada!!!...

…pena que, com o passar dos dias, com o regresso à labuta pela sobrevivência, a de sempre, se vá desvanecendo toda essa plêiade de sentimentos, arrecademos bem fundo… todos os carinhos, os amores, o que sentimos pelos outros, família e toda a gente, por nós próprios, pelos que sofrem… o que mostrámos, por uns momentos, neste período, o do Natal!!!... Foi uma espécie de trégua… afinal!!!... Claro, por uma questão de hábitos adquiridos, para não se perder o jeito, simplesmente… um pouco por todo o lado, mesmo nesta altura… a do Natal, sempre se foram matando uma série de seres humanos, por estas, por aquelas razões!!!... Está em nós… temos de o admitir!!!... Somos o que somos… temos o que merecemos!!!... Claro que… a própria natureza não se condói, não respeita, sequer… o Natal, conforme nos apercebemos, consoante choramos… os milhares de mortos, pelo terramoto, o maremoto!!!... Quão pequenos, insignificantes… somos, pouco ou nada valemos!!!... Tenho pena!!!...

…voltaremos ao mesmo, com maior intensidade… ainda, como brutas feras, como irracionais, com conflitos, com guerras, com ódios, com raivas, com mentiras e hipocrisias, com tantas baixarias… ainda mais, quando está em jogo um objectivo, a meta final, o Poder que todos almejam, embora muitos não mereçam, pela incompetência e irresponsabilidade mostrada, tanto agora… como dantes!!!... Os tansos, os mansos… os que são chamados, os que têm esse direito, esse dever, espero que o cumpram, como deve, certeiramente, escolhendo o melhor porque… bem vistas as coisa, vai sendo tempo, merecem!!!... Seria a melhor prenda… já depois de passado o Natal, para eles, para todos, deixariam de ser tolos!!!...

…e, lembrem-se… Natal é todos os dias!!!... Nunca é tarde para tentarmos ser melhores, para nos aperfeiçoarmos, um pouco… mesmo com catástrofes naturais, com conflitos, com guerras, com mortes, mais que muitas!!!... Abraços do Sherpas!!!...
26
Dez04

...dos fracos, fortes... é que não!!!...

sherpas
Santana: «Portugal sempre soube fazer das fraquezas forças»
A crise política marcou presença na mensagem de Natal do primeiro-ministro, Santana Lopes, emitida neste sábado à noite na RTP1. Um sinal de esperança para o País e alguma mágoa sobre o que sucedeu ao seu governo foram outros dos pontos em destaque no discurso.

As palavras foram de um modo geral de esperança e de recuperação do espírito natalício, com realce para alguns destinatários específicos, como os doentes, presos e pessoas que trabalham neste feriado.
Mas não deixaram de conter um teor político. Santana Lopes comentou o sentimento geral de crise que se vive no País, considerando que muitos portugueses se sentem preocupados, mas pediu aos cidadãos «esperança reforçada».
Traçou nesse sentido uma analogia com a função de primeiro-ministro: uma prova de tolerância, resistência e de entrega ao trabalho.
Não deixou, no entanto, de transparecer alguma mágoa pelos recentes acontecimentos políticos que abalaram o País.
«O Natal deve ser sobretudo um tempo em que nos viramos para dentro de nós e para os que porventura pior nos tenham feito», referiu.
«Não é fácil perdoar, não é fácil compreender quem tem atitudes que não tomaríamos. Mas o Natal é isso mesmo. Que a política seja mais bonita e que o futuro seja melhor para todos nós», sublinhou.
Apesar das dificuldades que Portugal atravessa, Santana deixou ainda a mensagem de esperança de que confia que os portugueses vão conseguir inverter o rumo dos acontecimentos: «Portugal sempre soube fazer das fraquezas forças», disse.

…diáriodigital!!!...

…dos fracos… fortes, é que não!!!... Tanta mágoa… como se não tivesse nada que ver, com os factos!!!... Quem fez a política feia… quem foi???... Dá que pensar… não dá???... Sherpas!!!...

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2005
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2004
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub