Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sherpasmania

... albergue de poemas, poesias e... outras manias, bem sentidas, por sinal!!!...

Sherpasmania

... albergue de poemas, poesias e... outras manias, bem sentidas, por sinal!!!...

29
Jan05

...fraude e...pesadelo, quiçá!!!...

sherpas
…há que inverter a situação, vai sendo tempo… a farsa está-se prolongando, vai-se transformando, aos poucos, em tragicomédia imensa, imparável, descontrolada, sem remédio algum!!!... Já não pretendo, daqui para diante, afirmo-o a pés juntos, quase que juro… denegrir ninguém, vou deixar de ser sarcástico, redutor, em relação a políticos, a gestores, a economistas, a empresários, a homens bem colocados na vida… em geral, tão pouco, diminuir comentadores, apelidando-os do que não são… ou são, quiçá, vou passar a ter mais juízo, não quero contribuir, com os meus simples escritos, ao aparecimento de correntes negativas, fluidos empestados de desconfiança, com raivas, com ódios… mais que muitos, a jorros, vou parar, vou condimentar, vou deixar de ser repetitivo!!!...

… bater num morto, é tara, é mania, dá em nada… é um absurdo!!!... Pertencer ao grande grupo dos críticos… embora carregadinho de razões, provoca-me um mau estar latente, permanente que, depois de pensar… vou tentar evitar!!!... Vou fazer de conta que não estou presente, que me encontro ausente, que não estou neste País, tão baralhado e confuso ele anda… ultimamente!!!... Fazer de conta que… não os oiço, aos inteligentes, aos sábios, aos indicadores de caminhos, aos profissionais da política, aos que ficam, aos que permanecem, aos que se enaltecem, aos que se convencem do que não são… porque não!!!... Quanto aos comentadores, como eu, como tantos, tanto aqui, como em qualquer órgão de comunicação… vou fingir que estão errados, que escrevem sobre uma ficção qualquer, que o fazem, por maldade, simples vaidade própria… sobre o que escrevem!!!... Habituaram-se… não sabem fazer outra coisa!!!... Vou descontar, simplesmente!!!...

…vou-me enganar a mim próprio, vou embarcar, aceitar o despropósito, o logro, a manipulação, o amanhanço, a promiscuidade, a inverdade… partilhar com os meus conterrâneos, a fraude, as fugas, as pantominas, com um encolher de ombros, como se nada!!!... Estou-me nas tintas, daqui para a frente, é evidente… que corra para cima, que corra para baixo, alhear-me, aceder, como se verdade fora que… a economia não está assim tão mal, assim o proclamou o fenómeno, o dos casos diários, logo na mesma altura em que empresário de vulto, o Belmiro de Azevedo, com todas as letras… disse que não iria investir mais em Portugal pela simples razão que, todos sabemos, não tem incentivos, não existe consumo, o poder de compra do vulgo, é reduzido, quase nulo!!!...

…enfim, com este estado de alma, com esta tristeza, com esta firmeza, quanto a propósitos futuros pessoais, enquanto escrevo, pensando… só tenho uma explicação, o programa de televisão da RTP, o de ontem, sobre o Estado da economia, a situação paupérrima das pessoas, as tristes figuras políticas que temos!!!... Todos unânimes, concordantes, numa grande percentagem… quase, quase me convenceram a mudar de rumo, deram-me pesadelos, passei a noite… em claro!!!... Ainda mais com as perspectivas, as dos dez anos que se avizinham, com calamidades, com a ruptura eminente do equilíbrio da Terra, o que se não tem, por causas diversas, a do aquecimento global, o efeito de estufa… a falta de juízo dos grandes causadores, os mais e os menos desenvolvidos, os que usam e abusam, não respeitando o ambiente!!!... Tudo isto se me colou no interior do pensamento, no momento… se prolongou, me deu uma noite de pesadelo, repito, insisto!!!...

… daí pensar que… não vale a pena, sou tão pouca coisa… perante os grandes disparates dos mais avisados, dos que continuam palrando, nada fazendo, mostrando que nada valem, está aí, à vista de todos… o lindo serviço, o resultado do que não fizeram!!!... Com caras de pau… ainda comentam, ainda inventam, ainda prometem enquanto outros fogem, viram costas, buscam outros locais, mais prometedores, empreendedores, incentivadores, não desbaratando dinheiros… em vão, num chão estéril com péssimos agricultores, nenhuns resultados!!!... O poder de compra é inexistente, para tanta gente, a sociedade em geral, de há uns três anitos para cá… estagnou, não ata, não desata, aguarda, expectante!!!... Ainda por cima… os crânios mais elevados avisam que tudo isto, pelo que vamos vivendo… está por um fio, temos um prazo de validade de cerca de dez anos apenas!!!... Após este período… tudo se espera, tudo é possível!!!... O desequilíbrio social, o desequilíbrio natural… vieram para ficar, vão-se agravando, segundo dizem, segundo escrevem!!!... Daqui para diante… o quadro enegrece!!!... Gostaria de ter uma réstia de esperança, sem mentiras, de voltar a acreditar na humanidade, com verdade… gostaria de não me sentir, como sinto, após esta noite de pesadelo!!!...

… continuar escrevendo, enquanto vivo… espero fazê-lo, está em mim!!!... Não serei tão acutilante, quedar-me-ei pela rama, um pouco mais positivo!!!... Assim procedam os intervenientes desta farsa que se instalou, desta fraude que se agiganta, que paira sobre nós, vítimas inocentes, pobres gentes!!!... Se teimarem em esconder o que não fizeram, em apresentarem o pouco… como obra de vulto, em se considerarem o que não são… então, dou o dito, por não dito, insisto!!!... Sherpas!!!...


29
Jan05

...quantos e...quantos???...

sherpas
…eu bem disse, já o tenho afirmado várias vezes que, nestas coisas da literatura, coisas sisudas que dão que pensar, não posso ser levado muito a sério!!!...Não gosto de lembrar e relembrar constantemente os que, desta vida, se foram deixando-nos espólios ricos e variados, os seus escritos mas, vai que não vai, umas vezes por outras, não posso fugir, tal como todos nós em geral, à saudade de obras lidas no passado, escritas há tanto tempo, sempre actuais, sempre belas, mais as de poesia, pelas quais me sinto fascinado, cativado por completo!!!…

…por mais que escreva, por mais que pense, por mais que reflexione, quando leio, quando vejo, quando oiço, estão sempre presentes, os grandes ausentes, minhas nobres referências, minhas glórias da imaginação fértil e formosa, pelo que cantaram nos seus versos, hinos de amor e de beleza, sempre vivas, eternas!!!…

…aos que, por obras valorosas, se vão, da lei da morte, libertando!!!... Assim escrevia Camões, assim pensaram todos os que, ao intelecto, deram mais valor… especialmente os que, durante a vida, se refugiaram na poesia, em si próprios, num Mundo mais harmonioso para eles, os desenquadrados de sempre, os despistados, os que vivem nas nuvens, os que, por mais que tentem, não conseguem perceber o que, para muitos, é mais que evidente e…racional (???...), a realidade dura e bruta, a insensível, a bestial, de besta, sim senhor, a cruel, sem coração… não dependentes do dinheiro vil que corrompe, que corrói, que escraviza, que diminui os que, com ele, engrandecem, ficando pequenos, ínfimos nos valores, nos princípios, indignos sabujos do que lhes negam, aos referidos, aos carentes, aos que sobrevivem, aos que vegetam!!!…

…quantos e quantos sonhadores, homens sensíveis, criadores, vítimas do intelecto, da imaginação, são votados ao abandono, esquecidos pelos detentores da grana, do pastaréu???... Em tudo há compensações e, enquanto uns se vão cevando com excessos de todo o tipo, materiais e concretos, proporcionados pelo dinheiro fácil de negociatas, outros, os que deste Mundo, vivem apartados, vão-se, da lei da morte, libertando, por obras valorosas:
- Não me quero comparar/com outros vates passados/que bem souberam sonhar/ao escreverem, bem narrados/seus versos de encantar/ajudados ou não ajudados/pelos Deuses, pelas musas/que, nos seus tristes fados/lhes deram forças confusas/nos sórdidos momentos/das suas vidas obscuras/dentro das dificuldades/lhes mostraram a verdade/do que havia de formoso/no meio da promiscuidade/do que era bem famoso/próprio daquelas eras/porcaria e ignorância/faziam militância/em quase todas as terras/deste jardim ribeirinho/país de muitas feras/com poucos cravos, no cimo/de todos bem comentado/pelo que tinha, de atrasado.../Eles, como tantos outros/surgiram do lodaçal/para bem dos vindouros/de alguns antepassados/apresentaram o nosso mal/com versos tão dourados/que nos honraram e bem/mostrando mais além/nossos feitos passados/por mares, não navegados/de todos, desconhecidos/outros mundos, só sonhados/cobiçados, enfraquecidos/depois de bem explorados.../Foram grandes na pena/férteis na imaginação/foi com garra e sanha/que deixaram, para os que estão/obras de magia tamanha/que nos tocam o coração/pelo profundo encantamento/pela beleza total/que, para mim, não há igual/esse tão doce momento/em que leio ou ouço recitar/poemas dum Camões, dum Bocage/dum Pessoa ou duma Espanca/doutros, que nos dão a imagem/dum Paraíso, que não estanca/antes progride, ressurge/mais novo, porque urge/acompanhar o progresso/dum Mundo, que está pelo avesso/que é preciso parar/para o fazer pensar, em verso!...
…honra lhes seja feita pelos cometimentos realizados, sós, num canto, afastados, pensativos, criativos, sensíveis a uma flor, a um doce chilrear, a um ribeiro que passa, a uma pessoa chorosa, a uma criança abandonada, a um alegre passeio de gentes jovens, formosas, a uma paisagem idílica, num descampado qualquer, a uma dor que sente, a uma fruição repentina, a um sonho, a uma emoção, a um desejo que tem!!!...
…temas tão importantes, poemas tão relevantes, tanto agora como dantes, inspiração de momento, uma lágrima, um lamento…honra lhes seja feita pelo que foram, pelo que criaram, pelo que nos deram, pelo que nos deixaram… honra lhes seja feita porque, da massa anónima dum povo, se apartaram, deixando o insignificante ser, morrer, porque ressurgiram grandes, maiores, perante os cidadãos que os desprezaram porque, não os souberam compreender, na sua nobre missão de se libertarem, por obras valorosas, da lei da morte!!!…
…sem esquecer, é evidente… todos os pensadores, inovadores, produtores de filosofias várias, iniciadores de outras correntes, quando a ideias, se referem!!!... Bem hajam… como bases, como projectos arrojados, como exemplos, somente!!!... Descansem em paz!!!... O Mundo das ideias, dos pensamentos, dos escritos, complexos ou não, mais ao jeito, mais à mão, agora… é dos novos, desde que o queiram, desde que assim pensem!!!... Confio em vós!!!...Sherpas!!!...

29
Jan05

...ser erudito... por vezes, distancia-nos!!!...

sherpas
…vezes por outras, passo os olhos pelos vossos excertos, pelos vossos escritos, leio atentamente as citações que buscais, de filósofos, de reputados pensadores, tanto actuais, como passados… as conclusões que tiram, depois de dissecadas ao pormenor, as ditas, engulo em seco, pasmo!!!... Sem desprestígio, aplaudindo… deixo-me rir interiormente, com esse vosso passatempo, respeito!!!... Por mim… enjeito!!!... Fazem-me lembrar um certo catedrático da Universidade de Coimbra, num blog seu, por aqui, pela Internet…quando se referia a conferências elevadíssimas a que assistia, presenciadas por grupos restritos, reduzidos, iniciadas, encaminhadas e… terminadas, com uma série de palavrões rebuscados, ao nível deles, claro…fora do vulgar, não tão banais, de gabarito!!!... Ao longo do que escrevia, deu exemplos e colocou um pequeno texto, dentro do palavreado usado nessas conferências e… a respectiva tradução, noutros termos, em palavras mais normais!!!... As citações, as conclusões, o conteúdo, de tão profundos… eram indecifráveis para a maior parte da população portuguesa, mais de dois terços, quiçá… mais, autênticas chinesices, em Portugal, ao alcance duma minoria restrita, duma elite de snobs, de intelectuais de pacotilha, reduzida, insignificante, ultrajante!!!... Fez a tradução do texto que… depois de feita, ficou ao alcance da grande maioria, entendível, percebível, normal!!!... Tanto com a literatura, como com a filosofia…com a música clássica, a ópera, entre outras, desde que acantonadas, complexas, elitistas…quanto a mim, quanto a esse catedrático de Coimbra, correm o risco de se apagarem, de se reduzirem, de darem em nada, simplesmente!!!... Uma espécie de panaceia, de droga rara, pouca… para meia dúzia de abençoados, de ungidos, sem grande alcance, um entretenimento… apenas, um mostrar que se possui algo de muito valioso que, ao fim e ao cabo… não se consegue dar, fazer passar aos outros!!!... Desperdícios de mentes… de gentes, concluía ele, o catedrático em questão… penso eu, um vulgar cidadão que, por acaso, gosta de escrever, sendo abrangente, normal, sem pretensão!!!... Há que saber fazer, há que saber passar a mensagem… quando nada disso acontece, estamos mortos, parados, inertes, andamos às voltas, sempre no mesmo sítio, embevecidos connosco, esquecendo os que nos rodeiam, lá nas alturas…convencidos, tontos, com citações de treta!!!... Por mim, penso que… vai sendo tempo de mostrarmos o que valemos, por nós, sempre assim pensei, vai sendo tempo de deixarmos os mortos em paz, por muito sábios e eloquentes que tenham sido, pelas obras que nos deixaram, vai sendo tempo de nos situarmos, de nos arredarmos de posicionamentos complexos e absurdos, mudos, de ficarmos quedos e parados, com os nossos pensamentos, a falar para as paredes, com dois ou três, somente… vai sendo tempo de criarmos, de dar origem a qualquer coisa de diferente, de sermos gente, entre a gente, utilizando as bases, os conhecimentos adquiridos, com leituras doutros, passados, enterrados, sempre vivos… nas obras, ausentes!!!... Agora nós… abrangentes, contribuintes, não de impostos… de ideias novas, de novas correntes, de novos pensamentos, mais abertos, mais entendíveis, menos cinzentos, menos snobs, sem elitismos bacocos, imprestáveis, ultrapassados!!!...Arrevesar as coisas, muitas das vezes claras e transparentes, simples e fáceis de abordar…com o intuito de nos mostrarmos, de nos engrandecermos, de fazer passar imagens inatingíveis, lá nas alturas, não lembra nem ao Diabo, faz-nos viver noutras esferas, faz-nos fingir que somos… o que não somos, afinal!!!... Simples reflexões, Alva… sem intenção de ferir, sequer!!!... Ser erudito, em demasia… distancia-nos, por vezes, da realidade!!!... Abraços do Sherpas!!!...

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2005
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2004
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub