Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sherpasmania

... albergue de poemas, poesias e... outras manias, bem sentidas, por sinal!!!...

Sherpasmania

... albergue de poemas, poesias e... outras manias, bem sentidas, por sinal!!!...

28
Mar07

... a arte... em qualquer parte!!!...

sherpas

… já foi arbusto débil, vergado ao vento,

cresceu, robusteceu, fez-se árvore de vulto,

sombra  agradável, recanto, entretenimento,

deu frutos, filhos das entranhas,

magia, encantamento,

alimentou sonhos doutros, fez-se navio,

foi amargura, cruz de sofrimento,

foi gemido, foi sangue, foi castigo,

foi casa, foi abrigo,

com artes, mãos hábeis, muitas manhas,

fizeram o que quiseram,

a tudo se sujeitou,

 

quantas intempéries enfrentou

por todas as partes deste mundo,

foi ao largo, foi ao fundo,

com outras irmãs suas, bem unidas,

desagregou, pedaço a pedaço,

deixou de ser casco,

 

atirado  para praia deserta, areal desconhecido,

sem um grito,

para ali esteve,

remoeu tudo que foi, aguentou sol, chuva,

lenho já carcomido,

lambido por maré viva que alivia dores,

sentiu-se acariciado,

elevado,

tronco que bóia, que não esquece,

voga de novo, sendo tudo, num mar encapelado,

revigorado,

embora gasto, deformado,

mais uma vez arrojado,

 

escultor que passa, que admira,

imagina

agarra aquele cepo, revira-o embevecido,

alguns toques não desfazendo,

mantendo,

expõe em salão pejado de gente,

que bem o sente,

não está carcomido, foi trabalhado pelo mar, pelo vento,

como em qualquer parte,

deixou de ser, já não se lembra de ser árvore,

 

intensa peça de arte,

já não é castigo, amargura, objecto vulgar,

rara preciosidade, tronco seco… resto do mar!!!... Sherpas!!!...

 

 

 

25
Mar07

... vidas... curtas!!!...

sherpas

é escassa mas, ainda corre,

existe, dá nas vistas,

murmurando baixinho,

no seu percurso acidentado,

aquela pequena fita que se estende,

límpida, voluntarista no caminho,

em busca de parente mais nobre,

braço forte que assombra,

seu destino,

que, ao longe, avistas,

margens alargadas,

frondosas, bem separadas,

 

GENEVE 563

temporária, casual,

curta existência, raro caudal,

 

por ali despontou,

resto das chuvadas que a criaram,

nascente da TERRA, que brotou,

espirro, suspiro, manifestação,

por pedras, por baixios, serpenteando

seus reflexos prateados,

provocando ambiente propício

a vidas pequeninas que o usufruem,

enquanto dura, enquanto corre,

ervas tenras, flores que despontam,

tudo nos ocorre,

 

… microcosmo, universo tão completo,

pleno na sua variada intensidade,

diversidade,

sob auspícios poderosos,

fadas, gnomos,

irrepetível quadro que me extasia,

instante mágico que me inebria,

 

paz, conforto, harmonia,

quedo estático, contemplativo,

creio na natureza, afirmativo,

mãe de tudo, de todos,

energia solarenga, raios de vida,

génese pura que se espalha,

que se espelha, nos enfeitiça,

nos alerta, nos grita,

nos mostra

pequena imagem, grande montra,

 

… pássaro ligeiro, sedento,

interrompe voo rasante, poisa,

pipila, canta, observa o entorno,

movimentos nervosos, inquietos,

bem atento,

no meio de tanta coisa,

ser vivo, fazendo parte,

enormidade na sua arte,

não me lobriga,

parado, seduzido,

continua o seu destino,

mergulha o bico,

mete as patinhas, espaneja,

borrifa gotitas de água clara,

satisfeito,

dá um salto, come insecto,

mais desperto, vivaço,

pula para o espaço,

pontito insignificante naquele céu aberto,

desaparece,

 

rã que coaxa,

salta,

refugia num tufo de terra, de musgo,

algum ruído, pequeno susto,

libelinha que volteia, busca

com seus olhos enormes,

abelhas que zunem, poisam,

acumulam pólenes,

formigas atarefadas, seguindo carreiro,

fonte repentina de vida,

aquela longa fita,

prateada corrente que busca

braço mais forte,

caminho serpenteante,

ocasional,

 

nascente que surgiu,

espargiu,

murmurante, num instante,

me parou… seduziu!!!... Sherpas!!!...

  

 

23
Mar07

... o Inverno, já se... gastou!!!...

sherpas

… o Inverno já se gastou

nos dias curtos, frios

por vezes, foi imitando Primaveras, Estios

na clareza do sol aberto

quente, brilhante, luminoso, que afaga o dia, desperto

em madrugares radiosos

dando esperanças a todos os seres viventes

acordando lembranças aos presentes,

dos ausentes,

 

destes, de todas as gentes

doutros tempos passados

mais novos,

sorridentes

aqui, em tantos lados

saudáveis na mocidade

sem mazelas, sofrimentos

próprios de certa idade

provocando lamentos nos dias gélidos, tristes,

 

invernias dolorosas, escuras, chorosas

que nos marcaram,

morte dum parente velho, sem sorte,

inocente criança que não canta, não dança,

doença que arrasta, que a afasta,

entre chuva,

nevoeiro como sinal primeiro

desgraça tamanha

quando a leva, a arrebanha

numa fúria tresloucada

vida que se acaba,

 

período que desespera

antecede a Primavera

doce remanso, doce encanto

que põe de lado o pranto

dá alegria na curta fantasia,

existência, quase vazia, dos que labutam de dia,

vegetam, pelo meio

sem prazer, sem recreio,

 

premiados pelos astros abençoados

que, sem paga,

lhes oferecem um pouco de alento,

lhes aquecem seus anseios,

receios,

suas desventuras

dando-lhes esperanças… futuras!!!... Sherpas!!!...

 

23
Mar07

... pura... coincidência!!!...

sherpas

… olha por baixo, disfarça a pelada,

nariz adunco, trespassa, convence,

fala inocente,

aldraba, mente,

manipula, atira a jogada,

político perverso não é de fiar,

repete estratégia, sempre a aviar,

 

meninos rabinos, são fraldas do chefe,

atiram pedradas, blasfemam,

ambiente aquece,

chapadas no contrário,

teres, haveres,

momices, às vezes,

teimas,

grossas toleimas,

composturas que tomam,

embevecidos se postam,

 

enfim,

grande líder,

diabo disfarçado, palhaço ou arlequim,

confusão instalada,

esboço de estalada,

impressão,

sofrida, denunciada,

um que outro empurrão,

vida democrática, plena cristandade,

cruzada, inquisição,

recuados tempos,

heranças que se sublimaram,

mais distintos,

refinados, brancos ou tintos,

bêbedos pelo Poder que anseiam,

já chateiam,

 

vão diminuindo,

zurzindo,

palavras, actos,

que amarga impressão,

vil espectáculo,

desfazer obstáculo,

em frente com fervor, devoção,

única opção,

 

impondo,

não propondo,

não debatendo,

enganando com veemência,

demência,

análise que se faz

de quem se desfaz,

 

como loucos,

aos poucos!!!... Sherpas!!!...

 

 

 

 

21
Mar07

... Primavera!!!...

sherpas

… campo florido sob céu azul resplandecente,

Sol que nos abriga, ilumina, aquece,

dia do equinócio da Primavera, equilíbrio perfeito,

bem repartidas as horas, tendência para crescer o dia

daqui p´rá frente,

permanente sinfonia,

cântico à vida, maus pensamentos esquecidos,

esvaídos,

 

esperança que se renova,

germinam plantas na Terra,

abrem-se sorrisos nos rostos,

soam músicas no ar, tinidos,

regozijos,

conforto no coração,

repicam os sinos,

permanente sensação,

pleno viço,

amor com intensa partilha,

doce união,

 

que tenham muitos meninos,

semente com que se aduba o chão,

fecundação,

ventre de mãe parideira,

esperança, renovação,

frescor, doçura

no meio de tanta ternura,

beleza que transparece em tudo que nasce, cresce,

velho que se equilibra,

doente que se esquece das maleitas de que padece,

tudo canta, tudo vibra,

 

… imorredoura,

sempre igual, deslumbrante,

sopro que nos acalenta,

nos agiganta,

época que se adora,

límpida promessa que se tem,

renovadora,

constante,

feliz de quem a goza… todos e ninguém,

equinócio,

equilíbrio,

Primavera, puro ócio,

desafio que nos sustém!!!... Sherpas!!!...

 

 

 

 

 

21
Mar07

... perante!!!...

sherpas

… talvez sinta medo,

natural que se não queira apresentar, tal e qual,

dúvidas que me assaltam,

 

perante,

 

pensamentos que tenho,

Mundo tão diferente, extravagante,

normalidade que deixou de ser normal,

não é segredo,

todos o sabem, comentam,

ainda existem os que inventam,

os que tentam disfarçar a situação,

que não, que não está em risco a condição,

 

continuamos seguros por muitos anos,

quantos disfarces, quantos enganos,

no seio destes humanos,

biliões que se atropelam,

se injuriam, não apelam,

destroem por sistema, concertadamente,

não olham, não têm receio,

não param, não se deliciam com o que possuem,

escravos do corpo que precisa, da mente,

 

sem humildade, sem devaneio,

carregam sobre o que não usufruem,

não têm tempo, tão anormais nos feitos,

grandes defeitos,

apocalípticos na destruição,

põem, dispõem,

desequilibram, caldeira infernal em ebulição,

produção, mais produção,

sem contenção,

 

perante,

 

é natural que tenha medo,

que se evite,

que espreite, recue de imediato,

simples hiato,

amostra do que poderia vir,

tempo primaveril,

temperatura amena,

campos floridos, risonhos,

sol grandioso, energia de tudo,

fauna, flora, num conjunto,

 

hino que se canta,

quedo pensativo, mudo,

sério, compreensivo,

admito seus temores, quando assola um cadinho,

nos premeia com carinho,

nos nega, foge,

se esconde por trás de nuvens negras, do frio,

da ventania que surge, nos arrepia,

nesta quase brincadeira que se repete,

que nos persegue,

 

estando quase, altura sossegada, maravilha,

pedaço que mais se admira,

Primavera que se espera,

harmonia celestial,

equilíbrio total,

 

perante,

 

é natural que se abstenha, que tenha medo,

não é segredo!!!... Sherpas!!!...

19
Mar07

... caíram as... vozes!!!...

sherpas

… caíram as vozes, sem brilho,

cada uma para seu canto,

grito de alma, coração que sofre,

apatia, desencanto,

influxo osmótico, dispersão,

 

concentração noutra galáxia perdida,

buraco negro, ocultação,

permanente interrogação

perante escuridão profunda que afoga a Lua,

silêncio que se eterniza,

sozinha, vogando algures, no infinito,

voz que se interioriza,

 

donzela sem diademas,

gárgulas que choram penas

em dias plúmbeos, chuvosos,

isenta dos seus adornos,

gargantilhas, seus contornos,

 

pérolas, rubis, diamantes,

nada será como antes,

foi-se a magia,

apontamentos sem resenha,

quadro que se desdenha,

 

fantasia com muita dor,

sem som,

que horror,

desmesurada situação, escurecida… sem cor!!!... Sherpas!!!...´

 

17
Mar07

... dorida de... amores!!!...

sherpas

… dorida de amores,

deambula qual sonâmbula errante,

numa alegoria absurda,

insensatez desvairada,

cheia de tudo, de nada,

 

incomensuráveis, os contrastes,

decifráveis

depois de percebidos,

quantos entraves,

efeitos provocados,

razões daquele desconforto,

sentires do corpo,

mente que se perde,

alma que não entende,

se arrasta,

 

sina de escrava,

doida, grande paixão,

comunga da união

que satisfaz num beijo,

calando o desejo no peito,

submissa,

passiva,

 

resguarda tamanho ardor,

labareda que incendeia,

guia seus passos perdidos,

âmago dum longo penar, sofrimento,

abatimento,

reciprocidade,

magia que anestesia,

complacência,

entendimento,

 

reprime, contém,

guarda a bênção que  tem,

ferida que a castiga,

dor que a abate… que a mantém!!!... Sherpas!!!...

 

 

 

13
Mar07

... são versos... apenas!!!...

sherpas

… são versos,

reversos,

palavras que cruzas,

imagens

com que apontas, acusas,

são frases, são temas,

não tremas,

são teimas,

são partes,

são artes,

 

são letras apenas,

palavras com que arrumas

traumas, passagens, sonhos,

 

quando nos pomos

naquilo que fazemos,

escrevendo,

dizendo,

entregas, dores, partilhas que trazes,

vómitos, às vezes,

chicotes que fustigam,

quando instigam,

são chagas,

estigmas,

marcas com que ficas,

bem fundas, sentidas,

 

recados que dás, mastigas,

não digeres, proferes,

sobre coisas, sobre seres,

deitados sem tino,

aos jorros,

são passas, são porros,

fumaça com graça,

chalaça,

lembranças,

são hinos,

bucólicos,

saudosos,

brilhos que iluminam,

dão cor,

incendeiam,

ateiam,

 

sorrisos sem pio,

débeis, mais fracos,

redundantes,

sonantes,

uma linha, um fio,

tão baixos, sem som,

cultivando tudo de bom,

falando do mal que degrada,

não agrada,

são versos,

são rimas

quando afinas,

palavras que usas,

abusas,

são temas… apenas!!!... Sherpas!!!...

 

 

08
Mar07

... pura ficção... quiçá???...

sherpas

 

 

… apocalíptica, inesperada

confusão se arranjou,

tudo desfeito, misturado,

equilíbrio existente, acabou,

vaga recordação da harmonia passada,

Universo obliterado,

 

reflicto, avalio, massacro,

descabelo-me, com raiva,

emagrecido, desfigurado,

mais pesado, força descomunal

me cola ao chão, onde arrasto

corpo chagado,

dorido,

dura realidade,

sinto-me mal,

ferido,

 

estou parado, não me afasto,

perante hecatombe imensa

minha mente rodopia,

pensa,

juízo final, dias sem dia,

sem alva,

noite escura que permanece,

sol que não surge, não aquece,

escuridão total,

interrogação perene,

infinita,

 

olho os céus,

caminhos da morte,

não paradas, estrelas pálidas,

baile macabro, impensável,

alteram lugares, mudam de sítio,

não brilham, não adocicam nossa morte,

não espevitam imaginação

aos poetas sem rosto,

caras esquálidas,

derrubados naquele braseiro,

rastejantes,

 

ostentam desilusão

perante a destruição,

recanto maravilhoso que ainda recordam,

quando se postam,

olhares fixos,

pensativos,

 

lobrigo planetas loucos,

fora das rotas de sempre,

fantasmagóricos,

quase lhes toco,

são bolas enormes, aqui tão perto,

não compreendo, não acerto,

imagens em catadupa que tenho,

tremo,

cometas que surgem,

vindos do nada,

fulgores, labaredas que rugem,

 

sombras, penumbras,

resistentes,

raros, fugazes,

biliões de mortos sem tumbas,

sobreviventes

rapaces,

 

barulhos, terrores, destruição total,

silêncios soturnos,

perdido, confuso,

numa réstia de vida que acalento,

vivo o segundo,

o momento,

abismado com este cruel presente,

choro os entes, choro-os para sempre,

 

taciturno,

ainda invento

sonho ruim,

pesadelo abismal,

equilíbrio perdido,

Mundo quase finito,

caem estrelas sem brilho,

situação que não partilho,

não perfilho,

 

rejeito com todas as forças,

 

vontade indómita do belo,

elegantes, ágeis corças,

entornos mirabolantes,

flora tão variada,

enérgico, possante leão,

selvas abundantes, visão,

ínfimo ser que se alimenta

no interior duma flor,

néctares, cores, sabores,

céu azul, permanente,

 

raios solares doirados,

esparsos pingos de chuva,

noites com cânticos abundantes,

escuras, plenas de diamantes,

Lua aqui tão perto,

que nos segue na caminhada,

amores em que me revejo,

quando admiro todo o concreto,

música celestial, harmonia num concerto,

fazendo parte desta fauna,

ostentando muito defeito,

 

rios, mares imensos,

maravilhas que protejo,

 

missão de todos nós,

legado de nossos avós,

livro aberto em que escrevo

páginas de tanto provir,

bocejando, satisfeito,

 

reconheço a ficção, o pesadelo,

sonho ruim do fim,

outrossim,

 

forte querer, anelo,

mau presságio, puro desvario,

desafio,

acabando… por sorrir!!!... Sherpas!!!...

 

04
Mar07

... ventos adversos!!!...

sherpas

… ventos adversos sopram pelo ocidente,

carregados de falsas promessas,

remessas,

enfurecidos vendavais se acumulam,

rotativos, cumulativos, naquela frente,

perspectivas repentinas de mortes, feridos,

colocando tudo às avessas,

 

forças ocultas se escutam,

se percebem nos ruídos produzidos,

tremendas,

energias que se medram

regadas com empenho,

devoção,

concertadas naquela direcção,

 

nascem para os lados do oeste,

nada de novo,

nada que preste,

tempo de dúvidas, razias de medo,

prostração de quem teme,

tamanho segredo,

 

caminho estudado,

já traçado,

zona de agitação,

em grande evolução,

fonte pródiga no seu caudal,

pressões propícias, céu carregado bem denso,

clima propenso,

seguras as estruturas,

mais débeis, algumas

que se não aperceberam ainda,

da sua vinda,

 

partindo do ocidente,

vão cair de repente,

algo se sente,

acalmia que se extingue,

sopram os ventos,

bem fortes,

imensos,

enérgicos, apensos,

junção de coisas brutas,

unidas,

bem juntas

calculistas,

de há muito previstas,

 

rajadas tão concertadas,

estratégias bem ou mal vistas,

fins que adivinho,

objectivos cobiçados,

tão sem cuidados,

elevação, com derrube dos que estão instalados,

ventania se adivinha,

que já sopra,

se acerca,

avizinha,

quanto ruído… alguma força!!!... Sherpas!!!...

 

04
Mar07

... ditador ou... salvador???...

sherpas

… desconforme se levanta, ensombra,

fauces horripilantes, cavernosas,

da tumba escura,

viscosa,

onde se encontram

restos abjectos,

memórias que nos agastam

como povo,

 

estórias, vida horrorosa,

passado degradante que se afasta,

fazendo ranger ossos que ainda restam,

poeira que provoca,

quando se invoca,

hálito fétido, presença venenosa,

inversão de toda uma situação,

arreigo que se pretende,

perversão,

que não se entende,

 

grupos que despontam vontades,

ocultando feras verdades,

mistificando

tempos vividos, já passados,

fomes, guerras, perseguições,

adulando imagem que se dissipa,

heranças que se rejeitam, dissenções,

enfrentamento que se avilta

por monstro que destruiu,

oprimiu,

nunca tal coisa se viu,

 

alguns seguidores da suprema besta,

recordada pelos que a veneram,

ainda esperam,

tal como outras,

destruidoras,

ideias adversas, tão contrárias,

intentando posterizar,

em vão,

enfrentando punhos, cerrando fileiras,

toda uma Nação que diz não,

olvidando caveiras,

tentando sorrir, buscando o advir,

páginas duma história que se vai fazendo,

esquecendo dores, gemidos,

tempos antigos,

vidas duras,

ditaduras,

 

voragem do tempo que passa,

recordação de quem tenta

dar vida a uma longa treva que se interpôs,

perpetuando um esquálido já esquecido,

mal que foi, mal que traça,

mesmo com tudo que se inventa,

quando se tenta,

colocar como referência um horror,

tempo perdido,

apartados do Mundo, humilde raça,

nobre grandeza agrilhoada,

décadas de medo, pavor,

 

fantasma que surge, ainda ruge,

das mais profundas nesgas do inferno,

sempre presente, sempre eterno,

triste recordação,

maldição,

má intenção que se renova,

se incendeia como pólvora,

adoradores daquela figura demoníaca,

cinzenta, carregada, tristonha, opaca,

que por cá vingou

quando se instalou!!!... Sherpas!!!...

04
Mar07

... mortandade... colectiva!!!...

sherpas

… grupos numerosos ao sabor das ondas,

desistiram,

fugiram do ambiente que rejeitam,

mole imensa de líquidos,

sobras, vertidos,

não mar azul

transparente

com que sonhas,

bandos de gaivotas que o enfeitam,

cardumes de peixes, moluscos, crustáceos,

mamíferos amigos,

 

aqueles cetáceos

que são arrastados pelos ventos,

pelas águas putrefactas,

grandes massas

que se agitam,

adulteradas,

horizontes que se alongam,

costas que banham,

 

onde se assanham

pequenos entes,

donos de tudo,

desprezando o próprio Mundo,

casa dos vivos que se suicidam,

vontades que tomam,

quando em grupos,

fugindo da promiscuidade,

alimento que não têm,

mantendo equilíbrio,

com brio,

por outra razão,

quando morrem nas praias desertas,

amostragem de horror,

completa exaustão,

 

desperta

sentimentos de culpa,

 

quando nos advêm,

perante imagens trágicas

que nos assustam,

esforços que fazemos,

tememos,

tentamos evitar

concertação de morte colectiva,

término da vida,

decidida,

mamíferos como nós,

 

são fugas,

determinação, pesadelo,

naquele cotovelo,

baía fechada,

bem apartada,

cemitério escolhido,

desistência,

vertido

nas areias doiradas,

águas paradas,

 

ambiente falido,

oceano de engano,

esgoto… tamanho!!!... Sherpas!!!...

02
Mar07

... deslizam... furtivas!!!...

sherpas

 

… perturbação que atormenta,

imagem que persegue,

mesmo quando se nega, intenta,

figura que perdura,

castigo

não causídico,

estado melancólico,

visão avassaladora,

 

doce candura,

tão bela, singular, pura,

 

cerro meus olhos,

saboreio devaneios,

abrolhos,

 

íntimos ocultos,

 

fecho janelas com força,

imateriais, débeis,

penetráveis,

pensando teus lábios vermelhos,

halo permanente que os rodeia,

mistério que te incendeia,

 

ciúmes, zelos,

sempre preso nos teus encantos,

por entre minhas pálpebras nuas

deslizam, furtivas,

tão cruas,

lágrimas, doces pérolas

que não contenho

porque, em mim retenho,

 

sabores antigos… tuas auréolas!!!... Sherpas!!!...   

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2005
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2004
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D